Via R�pida

música . espectáculos . anti-critica .



Contactos

�lvaro costa
elvis sandokan
jorge manuel lopes
la peste, rep�rter internacional
miguel quint�o
paulo garcia
ricardo salazar
rui malheiro



Outras Vias

anabela duarte
blind zero
blitz
cody chesnutt
f�rum m�sica
f�rum sons
gregory palast
legendary tiger man
mondo bizarre
new musical express
nirvana
rock's backpages
terceiro anel
xutos


Blogues

a pensar morreu um burro
�gua t�nica e ginger ale
ampola faz pop
anteestreia
automatic stop
aviz
blogacha maria
canal maldito
cinema paraiso
cr�tica lusa
cr�nicas da terra
epiderme
ginjinha
hang the dj
harmonia do barulho
horas perdidas
mar salgado
meliante
music is math
nave dos suspiros
pautas desafinadas
pirilampo m�gico project
ponte sonora
rio ave fc
roda livre
santa ignor�ncia
serendipitous cacophonies
sof� verde
sol da meia noite
trompa
vidro azul
vilacondense
vila do conde quasi di�rio
xway

 


Arquivos

06/01/2003 - 07/01/2003
07/01/2003 - 08/01/2003
08/01/2003 - 09/01/2003
09/01/2003 - 10/01/2003
10/01/2003 - 11/01/2003
11/01/2003 - 12/01/2003
12/01/2003 - 01/01/2004
01/01/2004 - 02/01/2004
02/01/2004 - 03/01/2004
03/01/2004 - 04/01/2004
04/01/2004 - 05/01/2004
05/01/2004 - 06/01/2004
06/01/2004 - 07/01/2004
07/01/2004 - 08/01/2004
08/01/2004 - 09/01/2004
09/01/2004 - 10/01/2004
10/01/2004 - 11/01/2004
11/01/2004 - 12/01/2004
12/01/2004 - 01/01/2005
01/01/2005 - 02/01/2005
02/01/2005 - 03/01/2005
03/01/2005 - 04/01/2005
04/01/2005 - 05/01/2005
05/01/2005 - 06/01/2005
06/01/2005 - 07/01/2005




leitor(es) on-line








�ltimas Actualiza��es








Design: Blogfrocks
Suporte: Blogger
Fotografia: Troy Paiva
Coment�rios:HaloScan

 


sexta-feira, janeiro 30, 2004

 

Delfins, 20 anos: Os Delfins comemoram este ano o seu 20� anivers�rio. Confesso que, por erro meu - j� que reportava o in�cio da banda de Cascais para 1985 -, essa comemora��o escapou-me num post anterior, onde assinalava os 25 anos de Xutos e 10 de Blind Zero.

Sou um apreciador dos primeiros 10 anos da banda. Trabalhos bel�ssimos, que ainda me d�o grande prazer ao reescut�-los. Destaco, como j� o fiz h� umas semanas no meu blogue, o �lbum 'Ser Maior', com a presen�a do ent�o delfim Pedro Ayres Magalh�es, para mim um dos melhores discos portugueses dos 90's.

Os cap�tulos seguintes ao 'Breve Sum�rio da Hist�ria de Deus' continuaram a ser seguidos aqui deste lado, apesar de me dizerem menos que os primeiros trabalhos. N�o entro, apesar disso, no f�cil caminho de criticar uma banda com o trajecto dos delfins, por ser moda faze-lo. Nem me vou esquecer dos primeiros trabalhos, porque eles existem e persistem. E dos discos que seguiram ao de 1994, apenas n�o gostei de 'Se7e'.

No entanto, e depois de ler a cr�tica do Jorge Mourinha ao 'Caminho da Felicidade II' fiquei com curiosidade em rela��o ao disco que compila os trabalhos dos �ltimos 10 anos dos Delfins, juntando-lhes dois temas novos e uma revisita a '1 Lugar ao Sol'. Gostei particularmente de 'O teu nome', can��o que tenho vindo a ouvir, com frequ�ncia, nos �ltimos dias.

O Jorge Mourinha no texto da cr�tica tamb�m fala da quest�o da ascens�o e da queda dos Delfins. Provavelmente e por quest�es de espa�o n�o ter� aprofundado tanto como quereria esse ponto. quer do ponto de vista do fen�meno musical, quer no que diz respeito � Sociologia, � uma quest�o pertinente e deveras interessante, mas olhando para tr�s, todos passa(ra)m um pouco por isso.

O artista portugu�s que mais acompanhei durante os 90's era visto como um 'marginal' e, por v�rias vezes, insultado por espectadores, ao longo dos seus concertos. Hoje �, com todos os riscos que da� adv�m, um dos mais respeitados artistas nacionais - com toda a justi�a, acrescento. Falo concretamente do Jorge Palma. No caso concreto dos Delfins, muitas explica��es poder�o ser lan�adas. Uma delas, do meu ponto de vista, ter� sido a grande exposi��o p�blica que o Miguel �ngelo teve durante e ap�s o grande sucesso do 'Caminho da Felicidade'. O meio � pequeno e as invejas e os �dios de estima��o s�o muitos, sobretudo quando se � mais visivel. Para al�m disso, tamb�m acho que as bandas suced�neas dos Delfins, acabaram por n�o trazer nada de novo, procurando copiar um formato de sucesso, mas, na maior parte dos casos, apesar de um ou outro �xito, sem nada de atraente, antes pelo contr�rio.

Por fim, a quest�o tamb�m levantada do comeback de Abrunhosa: tal como o t�tulo do �lbum indicia, n�o me parece que a resolus�o de um problema de queda, possa ser encontrada por um singelo 'Momento'. Foi, sem margem para d�vida, uma reviravolta, um regresso � m� de cima, mas sem susten��o ou com a habitual tend�ncia para o del�rio, esse pode ser o pren�ncio de uma queda maior.

Fico � espera dos pr�ximos cap�tulos .




escrito por rui �s 6:15 da tarde
|




 

O Regresso de Aquiles: Segundo o �lvaro, num dos mais recentes posts, o Jorge Cruz, vocalista dos Superego e com um projecto a solo como 'Pequeno Aquiles', est� a preparar o seu regresso �s edi��es discogr�ficas.

� um regresso que sa�do, at� porque o seu disco a solo est� no meu 'top 10' de discos favoritos. Segundo li num 'Blitz' recente os Superego terminaram, seguindo-se 'A Fanfarra', projecto do qual ouvi falar, pela boca do pr�pria, via N*TV, no Ver�o de 2002.

Fico, em parte, feliz com o final dos Superego. Na minha opini�o, os Superego foram a verdadeira cruz de Jorge. As letras estavam l� - estamos na presen�a de um dos melhores letristas nacionais -, os t�tulos dos discos s�o de uma inspira��o assinal�vel, assim como as suas capas. S� que sonoramente os Superego foram sempre in�cuos, faltando-lhes uma identidade, j� que n�o eram lo-fi, nem MPP, rock ou p�s-grunge. Ao mesmo tempo, tentaram ser todas estas coisas - sobretudo as tr�s �ltimas.

Ao contr�rio, o 'Pequeno Aquiles' - disco desprezado pela maior parte da imprensa nacional - acertou na 'mouche'. A poesia de Jorge Cruz, enquadra-se perfeitamente no lo-fi, na solid�o da voz e da guitarra, com o aroma bem presente da deliciosa praia da barra - muitas das vezes, o mote da suas can��es. Isto sem esquecer o travo a Will Oldham e a Mark Kozelek.

Espero que o novo disco seja o pr�logo desse delicioso primeiro cap�tulo. A bem do quase inexistente sadcore/slowcore nacional - ainda por cima, num bel�ssimo portugu�s.




escrito por rui �s 4:27 da tarde
|




 

Everythings Gone Green : " Onde estavas tu em 2003 ? " ir�o perguntar os Vossos netos em 2037. Uma das minhas respostas poss�veis vai ser: " Era GNR e estava no Iraque a combater pela liberdade por causa das armas qu�micas. N�o � do teu tempo, mas aquilo estava cheio de armas qu�micas..."

Ou ent�o a verdade... " Passei o ano a hibernar at� ouvir o disco do Adam Green, o "Friends of Mine" e, deixa-me que te diga, foi rem�dio santo de uma alegria imediata e contagiante".

Pois, pois. "Friends of Mine". Talvez a melhor banda-sonora para a "nerdland" internacional. Tal como os Mouldy Peaches, a sua banda anterior, Adam Green constr�i as suas can��es com uma inoc�ncia inteligente e uma cuidada banalidade quotidiana que lembra o excelso Jonathan Richman ou o later-day Byrne nos Talking Heads.

Temos bonitas can��es sobre Jessica Simpson ( a actual namorada da Am�rica ), um "Bunnyranch" ( parece divertido: " bind me, gag me, take me to the bunnyranch" ) ou sobre p�ssaros azuis, diamantes nas gengivas dos dentes da sabedoria, o problema do suic�dio nos consumidores e n�o poder sair de casa sem cart�es de cr�dito ( Bluebirds ).

E a soberba �No Legs� que � reveladora quando se ouve logo no verso inicial: � There�s no wrong way to fuck a girl with no legs...Just tell her you love her as she�s falling away�

S�o muitas m�sicas pequenitas para todos os gostos - afinal, estamos a falar de m�sica pop, n�o ? Poucos instrumentos e muitas cordas flutuantes ( pop D.S., i.?. depois de Spector ).

Ali�s para refer�ncias procurem a colect�nea dos 25 anos da Rough Trade, onde Green canta "Eating Nodmix" dos Young Marble Giants ou faz uma vers�o acapella de "Kokomo" dos Beach Boys, no lado B de "Jessica".

� claro que quem acreditar piamente que este disco � um objecto inocente e que n�o corre perigo ap�s a sua audi��o, tamb�m acredita que n�o era o c�o que dava as instru��es a Sam para matar pessoas durante o ver�o quente de 77...

Ou que o White Album dos Beatles n�o foi o medium pelo qual os quatro cavaleiros do apocalipse deram instru��es a Manson para come�ar o julgamento final....

O que est� errado. Muito errado.... Ah ah ah ah!

1. Bluebirds
2. Hard To Be A Girl
3. Jessica
4. Musical Ladders
5. The Prince�s Bed
6. Bunnyranch
7. Friends Of Mine
8. Frozen In Time
9. Broken Joystick
10. I Wanna Die
11. Salty Candy
12. No Legs
13. We�re not Supposed To Be Lovers
14. Secret Tongues
15. Bungee

Rough Trade 2003




escrito por Ricardo Salazar �s 1:43 da tarde
|




 

E AGORA NO SOL: Josh Homme e diva dos malditos: PJ Harvey em loop conjugal. Acreditem que j� fiz coisas bem piores no deserto dos Hommes como o Josh

BANDA VISUAL: a PJ esta a dizer: baza para a MTV: estao a chegar as Sugababes.




escrito por alvaro �s 5:04 da manhã
|




 

DIVA TEEN: Aleluia!!!!!! ou ser� que j� adivinho as sequencias em loop? ou estou a ficar maluco? YES. a tal que se apaixonou por um rapaz, " ligeira" altera�ao aprovado por Dom Jack Gillis( White). Obrigado Ferreira! Obrigado Ruas!

BANDA VISUAL: a diva teen!!!
p.s sao 3.59 . E j� nem estou nem a�; nem ali; nem me lembro se estou aqui ou acol�. Luka: baza...ou apago a TV...e eu � que fico noutra.Tragam a Kelly Key !!!!!talvez no Sol. Vou ver e j� volto




escrito por alvaro �s 5:02 da manhã
|




 

ALHOS E BOGALHOS: Agora que a mania s�o can��es com refer�ncias, exemplos recentes os dos Lambchop com Steve McQueen e Timothy B Schimdt e os Air com Mike Mills , resta esperar por can��es chamadas Mick Jagger, Iggy Pop ou Jerry Garcia. Entre n�s a moda podia pegar e podiamos ter os GNR com uma can��o chamada Vitor Rua; os Madredeus com Paulo Pedro Pregal da Cunha; o Abrunhosa com uma can��o escrita no aeroporto de Toquio, o velho Narita, chamada Alvaro Salazar e porque nao, os Delfins com MEC, e os Durutti Column com uma can��o chamada Durutti Column. Quanto aos Xutos sugiro Antonio Sergio e finalmente aos Tarantula uma can��o chamada Antonio Freitas...

BANDA VISUAL: se for a Joss, acendo mais um stick de incenso; se for a Delta Goodrum , duas palavras : Enrique Iglesias. J� imaginaram a choradeira?




escrito por alvaro �s 4:53 da manhã
|




 

OR�AMENTOS, MERCADOS E REALIDADES: Olhei de lado e vi o placard Club Kitten.Pensei que era o novo clipe dos X-Wife, mas afinal era o inicio do mais uma curta soft-core das Atomic Kitten. E por falar em ex esposas: ser� que um disco com as caracteristicas do album dos londrinos mais portuenses que conhe�o, aos 17. 50 euros que vi na FNAC ajuda a minorar as despesas naturais de um divorcio? isto �, ajuda a criar a materializar a hype , agora no campo de luta real, e nao na cabe�a dos bem falantes e melhor escribas do reino? Nao sou especialista em pre�os , mas sei o que custam os discos em Paris, Londres, Nova Iorque, Atlanta , Los Angeles e em Aveiro, cidade que estou a gostar muito e onde estive recentemente.E 17 euros est� bem longe dos 8 dolares que paguei por Interpol, Stills, Postal Service etc, albuns que trouxe l� dessas terreolas de parolos e atrasados, de onde essas bandas sao provenientes.Hesitei em o comprar, at� porque acabei com o or�amento com o que dei pela colectanea de Jimmie Rodgers; o best of dos Gang of Four;o mergulho no folk blues de Sleepy John Estes e ainda pelo DVD de Timberlake a uns apeteciveis 15 euros. S� por isso. At� porque nem eu nem o MQ4 tivemos a felicidade de o correio bater duas vezes com uma copia do fenomeno londrino-portuense, para o podermos divulgar no modesto programa de radio que apresentamos.Como nao sou rico e estou no mercado como toda a gente, fa�o as minhas op��es or�amentais legitimas...

BANDA VISUAL: o bon� do Jules....




escrito por alvaro �s 4:42 da manhã
|




 

VIVA VIRIATO E O SEU BANDO DE LUSITANOS DE ST MAUIR: Tenho seguido com alguma aten��ooas emiss�es da MTV Portugal.Nota-se, presumo.Humor � parte e exageros teatrais como a cena da Joss,( Ruas e Ferreira, s�o 2.51 am. Estou de novo � espera da teen), creio que a composi�ao internacional da esta��o se come�a a compor. E disse internacional, porque quanto � portugaliza��o dos conteudos , ainda ser� necessario esperar algum tempo.Os reality shows que j� conhecia da MTV America, sao divertidos. Em especial os jogos eroticos de Dis-Missed, e o provocador Burned, uma especie de detector de mentiras audio-visual.Imaginem o circo que seria, com a participa��o de algumas celebridades nacionais e internacionais.O sucesso do show interactivo de final de tarde, indica a " fome" das audi�ncias por conteudos portugalizados.Entretanto outros enlatados se dever�o seguir, inclusive algumas das maradices mais recentes que tive oportunidade ver na ultima viagem aos USA, como por exemplo The Dorm Raiders, que joga nos arquetipos das college girls, rapazes de sangue quente, tamanhos de soutien, tudo muito cerebral e universitario..pois... Muito fundamentalmente nesta fase de apresenta�ao melhorou e muito o design de voz , um dos pontos mais fracos da primeira fase.Mas era sobre a aus�ncia notoria de clipes nacionais que lan�ava esta post(a) mirandesa. E nem precisava de contactar uma fonte em Londres, para perceber que o problema nao era da MTV em si, mas da incapacidade videoclipica em corresponder aos standards que o gigante da tv musical , impoe seja em que mercado for que se instale. Para essa mesma fonte e ao contrario do que possa parecer, ao chumbar amadorismos excessivos, ou febres do estilo " olha , porteiro de discoteka: estou na MTV" a esta�ao, garante a mesma fonte, pretende que a qualidade suba.E a quest�o � simples: indiquem-me clipes recentes ,que crivados e num passe-vite qualitativo, possam realmente entrar na MTV, sem fazerem o papel do Portugal dos muito pequeninos? estou convencido que o novo de Ace, ira come�arr a rodar sem dificuldades. E falo deste porque o vi recentemente ainda no laboratorio. Sem consagrados com produto novo( e recomendo o post do rui malheiro, j� em arquivo, para resumirem o que est� para vir) e com nomes como Andre Indiana, X-Wife , Mesa etc sem o mais do que necessario segundo single e respectivo video a rodar, que material recente poder� ser divulgado para alem e por exemplo dos Radio Macau que roda agora? nao creio sinceramente que a politica simpatica e generosa do Canal Sol, em passar tudo e mais alguma coisa, seja a direc��o a seguir, pelas ilusoes de optica e massagem de ego pouco realista e geradora de distor��es que ao fim e ao cabo, nao contribuem para coisa alguma, a nao ser ego-massagens saborosas mas sem consequ�ncias para a saude....BANDA VISUAL: agora powerless de nelly furtado, clipe explicado esteticamente na ultima edi��o da influente In Style




escrito por alvaro �s 4:21 da manhã
|

 



quinta-feira, janeiro 29, 2004

 

�Been Caught Covering....�: Um dos discos mais ignorados do ano passado foi Double Standards, de Lea Delaria. Ao longo de quase uma hora, s�o interpretadas can��es de autores rock ( e de �reas lim�trofes ) com arranjos de quarteto / quinteto Jazz.

Existem m�sicas em que o choque � menor, como "Black Hole Sun", que j� tivera uma vers�o cocktail-lounge na extraordin�ria colect�nea �Loungepallooza� ou o caso de "Been Caught Stealing" onde um sax tenor faz maravilhas, recordando-se o g�nio musical dos Jane�s Addiction. Ah..."Thank You Boys !!!!", anyone ?

Revela��es completas s�o �Philadelphia� de Neil Young com um acompanhamento �glass harmonica� transformando-a numa balada g�lida ou "People Are Strange" em que o contrabaixo vai segurando toda a can��o na corda bamba.

"Call Me" de Debbie Harry ( e do hoje em dia mui olvidado Moroder ), revela-se enquanto can��o de bar decadente em que o porteiro n�o tem um olho e as meninas s�o quase todas contorcionistas tailandesas menos uma que � romena ( embora tamb�m contorcionista, dado ter articula��es duplas ).

"Kiko and The Lavender Moon" � a continua��o de algo sa�do dos sonhos doentes dos chicanos Los Lobos. E depois existe uma raz�o para recordar que Chrissie Hynde j� foi uma das maiores criadoras rock: "Tattoed Love Boys".

Acabo em "Dancing Barefoot". A vers�o da Patti Smith � de uma for�a tel�rica primordial. Esta � uma esp�cie de be-bop lesbo-psic�tico.


For gents of elegant taste, with fondness for the arts....

1. Dancing Barefoot ( Patti Smith Group )
2. Kiko & The Lavender Moon ( Los Lobos )
3. Call Me ( Debbie Harry )
4. Philadelphia ( N.Young )
5. Just A Girl ( No Doubt )
6. Been Caught Stealing ( Jane�s Addiction )
7. Black Hole Sun ( Soundgarden )
8. People Are Strange ( Doors )
9. Tattoed Love Boys ( Pretenders )
10. Alliance ( R. Wyatt )
11. Longview ( Green Day ).

Warner 2003




escrito por Ricardo Salazar �s 8:22 da tarde
|




 

Old Friends.:
Como a can��o de Simon & Garfunkel, no Bookends, existem can��es que nos lembram momentos e momentos que nos trazem � mem�ria pessoas. Ouvir � Tom Barman Guy Van Nueten Live� lembra-me muitos momentos e recorda-me v�rias pessoas. Lembra-me o Lu�s e quando o conheci.

Eu estava atr�s de um balc�o a vender discos e ele tinha chegado dos a�ores e andava � procura de um disco de uma banda chamada Deus que tinha visto na MTV. Dia antes eu falara com um casal belga, comparando bandas rock onde me foi referido o nome de dEUS ( n�o, n�o vou fazer piada).

No NME dessa semana falavam de �suds & soda�, das palavras de Tom Barman ( que segundo o jornal era homem para saber quais os males do mundo dado o seu nome ) e das aparentes influ�ncias de John Cale, Captain Beefheart e Violent Femmes. Naturalmente, fiquei curioso...

A hist�ria de dEUS hoje � do dom�nio p�blico. Banda f�tiche-alternativo - estilo Tindersticks e Morphine - tocaram em todos os palcos portugueses. Eu assisti a concertos no coliseus, em paredes de coura, zambujeira, etc...

E n�o vi Tom Barman com Guy Van Nueten no Hard Club, porque achava que j� me bastava. Mas o Lu�s foi ver. E disse-me que perdi um grande concerto, com uma data de vers�es de can��es extraordin�rias. Confesso que fiquei um bocado desiludido mas...

Ontem comprei um �lbum ao vivo gravado em Antu�rpia, Amsterd�o, Dublin Roterd�o, Londres e no Porto ( mais uma vez como o vinho do mesmo nome ) - Vila Nova de Gaia.

Assim, passei a tarde a fazer uma contesta��o ao som de interpreta��es extraordin�rias de cl�ssicos dos dEUS como Right As Rain; Little Arithmetics, Everybody�s Weird e Serpentine ( esta gravada em Gaia ).

E as p�rolas est�o nas covers: o cl�ssico My Funny Valentine e os delicados Fruit Tree e River Man de Nick Drake. Os dada�stas Harry Irene de Beefheart e Le Poin�onneur des Lilas de Serge Gainsbourg. Curiosidades como Memory of a Free Festival de Bowie ( per�odo Space Oddity ), de que n�o h� vers�o ao vivo nos �ltimos 30 anos pelo seu autor.

Can��es reduzidas a voz e guitarra e ao piano de Van Nueten. Sublime. Para quem esteve naquela noite em Gaia e para quem n�o esteve.

J� agora, o Lu�s vai casar em Mar�o... ; )

Cd 1

1. River � ( Joni Mitchel )
2. Right as Rain
3. One Advice, Space,
4. Everybody�s Weird
5. River Man ( N. Drake )
6. My Funny Valentine ( Rodgers / Hart )
7. Memory of a Free Festival ( D. Bowie )
8. Serpentine
9. Fruit Tree ( N. Drake )
10. Magnolia ( J.J. Cale )
11. Nothing Really Ends

Cd2

1. Magdalena
2. Luxury
3. Le Poin�onneur des Lilas ( S. Gainsbourg )
4. Little Arithmetics
5. Harry Irene ( Don Van Vliet )
6. After Midnight ( J.J. Cale )


Universal 2004 � Tom Barman Guy Van Nueten Live




escrito por Ricardo Salazar �s 5:59 da tarde
|




 

� N�o por favor...n�o me apontem mais o dedo...o bicho ja fez tantos estragos!�: Foram estas as palavras sofriveis da pobre crian�a que em tempos esteve debaixo dos len�ois de Michael Jackson ( banda sonora no momento : �You are not alone�).
O miudo continua a sofrer de m�s influencias e come�ou a dar ouvidos, e outras coisas, a R Kelly!
Com tanta confus�o o juiz de Chicago lembrou que nos Grammies R Kelly ( suspeito de pornografia infantil) e Michael ( suspeito de abuso sexual de menores) nao podem partilhar o mesmo espaco fisico.

Apesar da memoria fraca e da pouca veracidade de factos lembro que um menino nao � um carpete vermelha ou uma casa de banho com azulejos azuis!

Patrocinio: Memorex para momentos especiais

Reporter internacional aka La Peste




escrito por alvaro �s 5:27 da tarde
|




 

L Histoire d�O: ... E como qualquer outro romance er�tico de �ndole sado-maso, o disco de t�tulo quasi hom�nimo de Damien Rice, simplesmente intitulado "O", � capaz de proporcionar emo��es entre a dor e o prazer intenso.

O livro de Dominique Aury ( alias Pauline R�age ) trata de jogos de domina��o e sedu��o, em que o escravo acaba por ser o senhor. O �lbum oscila entre a o amor levado � obcess�o ( "...I can�t take my eyes out of you.." ) e o desespero resignado ( em "cold water" ).

Existem momentos de pura magia, em que as can��es ascedem, resvalam, descem, transformam-se em cacafonia, palavras soltas de desespero e juras de amor. Falo de grava��es como "the blower�s daughter" ou da faixa que encerra este "Astral Weeks" para os primeiros anos dos duplos mil, a sublime "Eskimo", com coda final em finland�s.

Lembra-me Van Morrison ( quer o autor de Madam George, que o jovem Rice s�o irl�ndeses ). Recorda-me Ben Chritophers, Jeff Buckley, Sparklehorse. Jeff Klein e Matthew Sweet. Transporta-me para as mesmas paisagens de uma velha Jerusalem, como se William Blake por aqui andasse.

Destaque para as faixas escondidas, especialmente a releitura de "Silent Night" com letra e vocaliza��o da magistral Lisa Hannigan.

Nota: David Arnold - �ltimas orquestra��es 007 - � familiar de Rice e ajudou a que este tivesse condi��es para gravar "O". Fez ainda os arranjos e produziu "Amie".

Nota 2: Damien Rice esteve em Portugal a fazer a primeira parte de Lamb.


1. Delicate
2. Volcano
3. The blower�s daughter
4. Cannonball
5. Older chests
6. Amie
7. Cheers darlin�
8. Cold water
9. I remenber
10. eskimo

14 Floor Records 2003




escrito por Ricardo Salazar �s 4:41 da tarde
|




 

CRUZ. ERA UM NOME GIRO PARA O PROJECTO: O Carlos Vieira da Xinfrim,teve a amabilidade de me enviar a demo de apresenta��o do que vir� a ser o disco do Jorge Cruz. o aveirense rque em meados de 90 me surgiu na Antena 3 com o seu superego.Entao tive oportunidade de lhe dizer que nao seria no contexto rock per si, que as sua ambi��es literarias seriam concretizadas.A "gramatica rock" nao iria permitir espa�o " � lenda da irresponsabilidade do poeta ". Nao creio que tenha errado, como tambem nao errei ao apreender que mais tarde ou mais cedo , o artista iria encontrar o equilibrio, entre as varias areas de expressao. Sem ele saber, acompanhei na "sombra", uma posi��o que me agrada muito e que tenho tomado conscientemente , no que diz respeito a alguns projectos, a pr�-produ��o do video-clip da autoria do " compatriota aveirense" Gon�alo Madail e j� tinha algumas luzes sobre as ideias , que as 4 can��es que escutei indicam claramente. Gostei particularmente de Balada da Sede e noite, lua e mar. Um pouco menos de adriana e de fado de uma rua qualquer, cuja direc��o" neo cantautor" ainda enferma de alguma pretens�o acima das fronteiras naturais da musica popular. Mas em geral , uma demo muito interessante e que abre pistas seguras para o que estar� para vir...

BANDA SONORA:a banda sonora televisiva dos Lambchop.� Kurt, o que andas a tomar?




escrito por alvaro �s 2:04 da tarde
|




 

ATINA PHARREL: J� nao somos os unicos a reparar que Pharrel , come�a a perder pontos com as suas apari��es tipo Virgem de Fatima, em tudo o que se mexe e tenha uma rabo bonito .A Arena deste m�s, desaprova o que chama a transforma��o de Williams num especie de Jay Kay americano. Uma observa��o curiosa, mas nada interessante para o mago Merlin do hip-(p)hop.

BANDA VISUAL: andre 2004.




escrito por alvaro �s 12:29 da tarde
|




 

FNAC CITY.MATOSINHOS: � uma cena shopping mall, seculo XXI. Fnac City: familia de classe media alta; um casal de filhos: ele , pouco mais de 10 anos, ar de colegial , oculos , branquinho.Estou por acaso na sec��o hip-hop � porcura de classicos de Dr Dre e Snoop Dogg que nao encontro.Foi por isso que escutei o menino a falar de hip-hop . Eminem e restantes " niggas" brancos,pretos ou amarelos como h� 10 anos um menino " fotocopia" falaria de U2 , ou Pink Floyd.....sinal de tempos , ou dos tempos, particularmente curioso e interessante..

BANDA VISUAL: o poderoso video de Auf Der Maur. O grito de guerra inicial e as subliminares refer�ncias ao gale�o que surge discreta mas intensamente no clipe, alteram por completo o ambiente de uma can��o que nao se estranha, mas que se entranha imediatamente.Um clipe aparentemente simples, mas que apresenta com toda a intelig�ncia uma artista de enorme potencial...




escrito por alvaro �s 12:24 da tarde
|




 

AR DA FOZ: Para que conste, Mike Mills dos Air, � sobre o realizador de video-clips da familia est�tica do Jonze, Gondry e Cunningham.E francamente acho o video da Cheery Blossom muito mais interessante com as barras.Criam o efeito perverso e " sujo" pretendido, em contraste com uma composi��o algures entre Clifford T Ward, Michel Polnareff e os Air, re-interpretados por um grupo fran��s.E curiosamente ao sol da Praia da Luz, com uma salada de mel�o e rosbife, rodeado de revistas, yuppies da Foz, com aquele ar eternamente importante, umas jovens com ar de criadoras de moda para expor na Rua Mouzinho da Silveira, e o Luis Claudio do Boavista, mais o meu amigo e gerente da selecta tasca da Foz, Leopoldo grande jogador de indoor soccer e adepto tal como eu do Paraiso da Foz, levei com Talkie- Walkie todo: e acreditem que daquele local e com o som a libertar-se para o horizonte, "tripei" sem esfor�o para l� de Marrakech. E inventei um concept novo: hard musak.

BANDA VISUAL: ainda sem Stone. Mas com as nutridas mec�nicas do Big Boi dos Outkast.Est� tudo doido.




escrito por alvaro �s 5:04 da manhã
|




 

OUBE L�? E O BIDEO DA GAJA?: People da MTV: quando � que passa a Stone? ontem foi logo a seguir aos White Stripes. Bem bolado, sim senhor. E hoje? nao me digam que vou ficar aqui at� de manh�.....

BANDA VISUAL: QUERO A JOSS!




escrito por alvaro �s 4:54 da manhã
|




 

TENDAS NOS OSCARS: Adorei a emiss�o especial Oscars da Antena 3. E concordo que a Monica Mendes estava em grande forma, ainda por cima porque nao a tenho acompanhado, nem � RADIO em geral, com a aten��o merecida.Mas o que poderia ser uma banal emiss�o especial, transformou-se num momento divertido e ao mesmo tempo rigoroso. E para isso, as analises de Jose Paulo Alcobia e do meu mano Rui Pedro Tendinha em especial,foram essenciais, deixando-me espa�o livre para outras cenas . E j� agora quando � que Tendinha dispoe de um espa�o de radio ou televis�o ao nivel do que ele realmente vale como reporter de entretenimento? e confissao pessoal para que conste: um dos meus sonhos profissionais � mesmo a possibilidade de concretizarmos um espa�o de conversa, talk e informa��o � volta do show biz. O que se apresentou na passada ter�a-feira � apenas uma amostra do que sem quaisquer complexos, ambos poderiamos fazer, caso surgisse uma oprtunidade...

BANDA VISUAL : a love vibration do grande Josh Rouse. Vou acender um incenso para que possa atravessar a fronteira.Ou ent�o para que nao leia a Newsweek desta semana e fique por Barcelona, at� porque depois do que li, parece que este cantinho j� desapareceu mesmo. Pois �:" eles nem nos querem anexar"...ao menos que o quisessem fazer e a gente, como os nosso egregios antepassados que lhes atiravam azeite a ferver, nao o permitisse. Sempre era mais interessante do que acharem que j� nem vale a pena . Ou ser� que estao interessados nos nossos novos estadios, para os encherem? o Salamanca em Leiria; o Cadiz no Algarve; O Celta em Aveiro....




escrito por alvaro �s 4:53 da manhã
|




 

PEQUENINA MAS AUSTRALIANA: J� levei com alguns engarrafamentos de overpass californiano, como no novo video da Minogue.Infelizmente , nunca levei com o entretenimento gratuito da red blooded woman. Sinal que nem todos os sonhos se concretizam na Cidade onde eles sao fabricados

BANDA VISUAL: a kylie toda maluka a " comunicar " com um cami�o Mack




escrito por alvaro �s 4:39 da manhã
|




 

NOVA BERLIN; MAIS IRMAOS E PRIMOS. ESTES NAO SAO DE DETROIT, MAS PODIAM SER: N�o conhe�o uma unica nota; nao ouvi um unico som. Mas a forma como os irmaos Berlin , se quiserem os Living Things est�o a ser apresentados deixa-me mais do que curioso.A imagem � poderosa: os gostos mais do que lucidos em especial para jovens entre os 18 e os 25 anos. E finalmente as perspectivas politicas de uma acidez , que os transforma nos Fugazi sexy.E ao insistir que nao escutei uma nota, nao estou a ser ironico: como diz e bem Joe Carducci, o rocka and roll n�o � apenas um estilo musical, mas uma cultura e universo semiotico, que faz com que olhe para estes Living Things de uma forma imediatamente diferente com que olho para os 3 Doors Down.

BANDA SONORA: a materializa��o sonora da cultura dos Living Things, que os fa�a sair da revista ID onde e para mim se encontram neste momento.




escrito por alvaro �s 4:34 da manhã
|




 

MUCHACHOS BUENOS E OUTRAS HISTORINHAS: Com quem seria possivel e com toda a genuina simplicidade do mundo, abordar cenas de backstage em que se misturam Sting, Enrique Iglesias ou Ricky Martin? pelo menos na proxima edi��o dos bons rapazes( antena 3, 22-24. domingos) vao ficar a saber entre outras coisas que Enrique, vai deixar-se de choradeiras e carpideiras at� porque a nova companhia feminina do seu novo clipe, lhe vai fazer um... milkshake � maneira.Kellis, claro. De que estavam � espera?Um prazer enorme para os rapazes bons, ter como guest a Vice- Presidente da Universal com base em Miami, Gabriela Carrilho.Num pa�s de invejas, retorcido e que apenas se parece mostrar nas desgra�as,pretendemos mostrar , e doa a quem doer, que ter um selo portugu�s na testa, nao significa condena��o aos horizontes pequeninos que nos tolhem os movimentos.

BANDA VISUAL: o clipe dos POD, enquanto espero pela Stone...nao saio daqui, enquanto nao repetirem o clipe. S�o 3.23 da manha e se for preciso acordo o Ruas e o Ferreira.




escrito por alvaro �s 4:25 da manhã
|




 

NACIONAL-PORREIRISMO: Muito interessante, a discuss�o criada � volta das aventuras de um comprador de discos, oscar de cliente 2003/2004 para o bom rapaz Quintao. E para mais uma faiscazita: sabiam que mais de 90% dos discos novos que passamos no programa da antena 3, s�o comprados pelos seus autores? e nao fal(amos) de " cenas extra-terrestres" para a cada vez mais bizarra industria( ?) diskografica nacional.Nomes como os de Ryan Adams, Jack Johnson , The Stills ,etc de inegavel potencial comercial, j� sao de tal modo " distantes" da cada vez mais cinzenta realidade que nos cerca, que quando o artista Pasteleira DJ, um um dos Zig os passam � certo e sabido que mesmo alguns bem informados, questionam os artistas-divulgadores sobre a identidade dos mesmos.Aconteceu isso mesmo com uma das faixas do Rock and Roll de Ryan Adams, bem � minha frente.Desde o Outono passado que "stockei" centenas de discos novos, exactamente a pensar nesta fase do nosso trabalho. O mesmo acontece com o MQ4.Se vos revelar que sao raros os que coincidem com esta lista, que venho a receber mais tarde, atraves dos canais de promo��o da industria discografica nacional, ficam com um exemplo simples mas cristalino do que se passa realmente.Explica��es: a crise; nao se vendem discos; nao se compram discos; os malditos piratas; as radios; os artistas, os radialistas esquisitos ,as televisoes, os espanhois, os brasileiros..sei l� que mais.E os que promovem o " produto" musica, onde ficam no meio disto tudo? e onde estao os grandes nomes da industria discografica portuguesa, capazes eles proprios de gerar entusiasmos e assumir as suas apostas? e onde est� o conhecimento minimo, para e pelo menos nao confundir o nome do album com o artista, e trocar todas as informa�oes que at� ja ninguem precisa, porque as folhas de promo��o. j� nem servem para nada, e est�o disponiveis na internet, muitas vezes antes dos proprios conhecerem a banda que deveriam trabalhar. E com quem se pode conversar , neste meio , que supostamente vende musica, sobre a dita? Bem sei que entre os sapatos, as grandes superficies ou o velho amigo marketing, ou os discos a diferen�a � minima.Mas j� sao muito poucos , os nomes com quem se pode e simplesmente abordar MUSICA e toda a cultura que gira � sua volta. Para alem de todos os problemas -reais- que nao se podem menosprezar, tamb�m nao podem justificar toda a incompet�ncia , em grande parte com base na aus�ncia de paix�o minima, que este lado da industria do entretenimento exige.E no meio de isto tudo, onde estao os " herois do bar" ? possivelmente no bar do Hotel, muito entusiasmados com o artista que odeiam noutros" bares" e noutros " hoteis"...era exactamente sobre este estado de coisas a que MEC se referia na passada semana. Na neutralidade conveniente e "esperta".E quando disse que MEC era desalinhado, nao estava a passar um cheque em branco a todas as suas opini�es, e perspectivas. Mas estava a antecipar que e pelo menos, nao seria mais um " heroi do bar", e que nao iria ficar preocupado com as amostras que recebe ou nao antes dos outros; com a quantidade de discos recebidos a cada semana, e que impressionam a familia; e muito menos com a possibilidade de nao integrar uma dessas comitivas de lusitanos em que todos se odeiam , mas cujas treguas sao declaradas , em especial quando o artista A , B, ou C � mesmo do agrado do Z, que at� anteontem estava em brasa com a editora,porque foi o " inimigo de estima��o" a receber o disco T ,e a ir ver o artista K antes de todos os outros da mesma patente...

BANDA VISUAL: espreitem sempre que puderem o canal MEZZO. Ninguem fala e ninguem v�, mas espreitem....




escrito por alvaro �s 4:06 da manhã
|

 



quarta-feira, janeiro 28, 2004

 

not too modest mouse in the house : um dos discos que mais gostei nos ultimos tempos foi de moon & antarctica dos modest mouse, banda que ir� lan�ar no final de mar�o um novo cd de originais, noticia que me deixou com uma enorme vontade de j� ter o disco e de j� andar a ouvi-lo
mas com esta noticia vem outra, a de que a editora dos modest mouse vai reeditar moon & antarctica com temas adicionais numa nova edi��o
confesso que � uma daquelas coisas que me tiram do s�rio e que considero uma falta de respeito e um roubo descarado �queles que compraram o disco na sua edi��o original
das duas uma : ou reembolsam as pessoas, os f�s, ou oferecem a nova vers�o. era assim que deveria ser

banda sonora : modest mouse - the moon & antarctica




escrito por miguel �s 7:25 da tarde
|




 

zig zag thanks : queria agradecer em nome dos zig zag warriors a extraordin�ria noite que nos porpocionaram todos aqueles que estiveram no passado s�bado no triplex
e j� agora ao dj pasteleira pela magnifica e ausente 1� parte
n�o esqueceremos




escrito por miguel �s 4:37 da tarde
|




 

quem?: corri 4 discotecas da zona de lisboa � procura do cd de joe strummer, nem a fnac tinha o disco, numa delas inclusiv� questionei os 2 empregados que l� se encontravam(2 jovens)
e 1 deles at� me perguntou quem era o joe strummer e que inclusiv� j� tinha tido mais clientes na loja a perguntar pelo mesmo disco, tendo at� ligado para o armaz�m fornecedor para perguntar se tinham tal coisa. a resposta foi negativa
sauda��es para a "editora" que representa artistas como joe strummer, joe henry e paul westerberg no nosso pais

banda sonora: grandpa boy (paul westerberg) - dead man shake




escrito por miguel �s 4:34 da tarde
|




 

Frase do m�s para os Tugas em Dakar : �Eh p�, Toni, o melhor � arranjares o carro por ti, eles t�m os advogados deles, os engenheiros deles, e tu �s pequenino...�

A decis�o judicial em rela��o a Gestiponte vs Jorge Ferreira in P�BLICO 26 jan 2004


Patrocinio: A advogada estagiaria de Jorge Ferreira

Atenta mente
La Peste




escrito por alvaro �s 12:11 da tarde
|




 

JOVEM STONE: Sao 4 da manh� . Hora do diabo, para ver o clipe em alta rota��o que finalmente apresenta a bombastica Joss Stone, crian�a-mulher que literalmente toma conta do pequeno ecran. Nao era preciso, mas gente boa ,com sede sindical ali para as bandas de Oxford Street enviava uma SMS, a alertar para o grande momento.Nao era necessario: a vers�o , de Fell In Love With a Boy , muito inteligente a escolha, do tema dos White Stripes, para que a jovem brit, nao fique desde logo arrumada numa caixa retro, sem saida possivel.Um caso a re-ver , at� porque com o verdadeiro inicio da tour e uma natural expectativa pr�-concebida, e � partida , com mais duvidas que beneficios, a jovem brit , vai ter que dar ao seu belo rabinho para convencer e conquistar , os que ainda nao se deixaram seduzir pelo vozeirao, que todos os que escutaram " vendados" presumem ser de uma negra....

BANDA VISUAL: nao, nem olhei para o clipe. Nem pensar...nada disso, que disparate!!!!




escrito por alvaro �s 5:14 da manhã
|




 

000004: Come�am a surgir as primeiras edi��es, realmente dedicadas a 2004. Revistas como a ID e a Face, lan�am pistas de pop-cultura. Em breve o resumo e o cruzamento das refer�ncias, mas e para j� a ideia que Brody Dalle, a lider dos Distillers , a neo Courtney, mais o seu Homme Josh,� figura comum a quase todas as bolsas de apostas de inicio de ano...


BANDA SONORA: All Fall Down , banda sonora para todos os invernos da mente. The Sound, sempre.




escrito por alvaro �s 4:26 da manhã
|




 

GRANDE DEPP: Mais do que justa, a nomea��o de Johnny Depp.Sou fan confesso do actor e do que representa de integridade e intelig�ncia. Num dos primeiros posts armazenados neste cubiculo digital tive oportunidade de contar historias reveladoras de uma personalidade muito especial e a leste de todos os standards made in Hollywood. Ao conseguir combinar arte e comercio com o seu JacK Sparrow , uma especie de alter-ego de Keith Richards, o actor agora com base em Fran�a, relan�ou um genero meio esquecido, fez o seu primeiro filme para os filhos e transforma-se numa estrela, tudo isto sem perder um milimetro de dignidade e respeito por si proprio. Um exemplo Grande.

BANDA VISUAL: nao me consigo irritar como queria com Enrique Iglesias, porque h� quem diga que at� nem � um malo chico..pero, j� chega de choradeiras e carpideiras. Embore se estivesse na jaula , com uma amiga daquelas, tambem era capaz de come�ar aos xutos e pontap�s...




escrito por alvaro �s 3:54 da manhã
|

 



terça-feira, janeiro 27, 2004

 

Bye Bye Rob Young: No editorial da mais recente The Wire (capa - magn�fica - com os Einst�rzende Neubauten), Rob Young anuncia a sa�da do posto de director. O manda-chuva que se segue � Chris Bohn, aka Biba Kopf.
Tinha gostado de ver que voltas daria a revista se, por exemplo, Peter Shapiro tivesse sido o escolhido mas, com a longa experi�ncia de Chris Bohn na imprensa musical, ainda por cima com uns anos de rodagem pelo NME na interessant�ssima e enigm�tica e confusa e cerebral e activista fase da primeira metade dos 80s (n�o confundir, em circunst�ncia alguma, com a nulidade do NME actual), fica a enorme curiosidade para ver se ele atenua parte da tend�ncia algo esot�rica e esteticamente fechada e anti-pop do consulado Young. (Palpite pessoal: gostava, mas n�o acredito muito.) Eventuais resultados da mudan�a s� devem surgir, digo eu, l� para Maio/Junho

P.S. - Parece que Rob Young vai andar pelo Porto no in�cio de Fevereiro, em fun��es de rep�rter num festival de m�sica experimental levado a cabo pelo TNSJ.




escrito por Jorge Lopes �s 9:14 da tarde
|




 

End of a Dog Day Gone By: O �ltimo n�mero da Mojo ( Fevereiro ) recupera o mito pop dos efeitos da LSD-25 na cria��o pop, contando est�rias sobre "boas viagens e m�s viagens".

A banda sonora poss�vel:

- Spirit - 12 dreams of Dr. Sardonicus;
- Love - Forever Changes;
- Doors - Strange Days;
- Primal Scream - Screamadelica;
- Rolling Stones - Their Satanic Majesties Request;
- Grateful Dead - Live / Dead;
- Jimi Hendrix - Are You Experienced ?;
- Pink Floyd - A Piper at the Gates Of Dawn;
- Jefferson Airplane - After Bathing At Baxter�s;
- Moby Grape - 1 st album;
- 13 th Floor Elevathors - The Psychadelic sounds of ....;
- Julian Cope - Fried;
- Happy Mondays - Bummed;
- V / A Nuggets: Original Artyfacts from the First Psychadelic Era 1965 / 1968.


Para quando a canoniza��o de Syd Barrett, Roky Eriksson e Julian Cope ?




escrito por Ricardo Salazar �s 8:28 da tarde
|




 

HOLLYWOOD � BEIRA ATLANTICO: Live Fast, Die Young � o titulo( classico )da serie de posters integrados numa das ultimas edi��es do NME. A lista inclui Hendrix, Cobain, Buckley, Shakur entre outros, congelados, criogenados �s mais baixas temperaturas imaginaveis. No seu contexto, o jovem hungaro, vai entrar nesta galeria.E ainda ontem pensava na perspectiva que o futebol � o nosso Hollywood, com a diferen�a que as " vedetas", a nao ser por causas como esta, s�o os fatos e gravatas; os comentadores das ( maiores) tretas;e os habituais transportadores dos andores das prociss�es. Cenario que ali�s nem � assim tao diferente noutras areas de expressao, onde a conformidade mais cinzenta parece ter tomado conta de tudo e todos.
Viva Portugal!

BANDA SONORA: custou-me mais de 30 euros, mas � indispensavel: a colectanea dos cowboy tuberculoso, o inigualavel Jimmie Rodgers.




escrito por alvaro �s 12:44 da tarde
|




 

EL MAS GRANDE: Em breve vao ouvir falar de Ruby Rosa.Quem? sim, Ruby Rosa, algures entre uma especie de Prince latino, Sinatra porto-riquenho , Bing Crosby do seculo XXI e Timberlake com canela.N�o se trata de um estreante, mas sim de uma figura ligada a um emblematico teen-group hispanico dos anos 90. E sem aprofundar, o nome nao est� longe do Rei dos playboys , el mas macho, Porfirio Rubirosa.

BANDA SONORA: e se vos disser que continuo com o DVD do rapaz a rolar em loop? nao, j� mudei para o filme Ghost World.Corram a alugar e sigam a teen Scarlett Johanssen.Scarlett forever.I lobe u, diria o mister mais designer da rua Julio Diniz...




escrito por alvaro �s 12:26 da tarde
|




 

CAF�, BOLINHOS E MUITO SONO: Daqui a pouco, vamos ficar a saber quem s�o os apurados para a Liga dos Campe�es de Hollywood, prova organizada pela UEFA do cinema.E de todas as cerimonias mais ou menos finas, selectas ou pura e simplesmente croquetes e bolinhos em qua participei, esta � a mais directa , objectiva e brutal que conhe�o. Em poucos segundos despacham a cena toda, cim uma velocidade ainda mais estonteante face �s horas( 5.45 da manh�) a que decorre. Tudo se passa no edificio sede da Academia de Artes Cinematograficas na ampla Wilshire Boulevard, que a esta hora j� estar� a come�ar a fervilhar de aromas , algures entre o caf� de saco, os donuts e a parafernalia de pequeno almo�o ao mais fino recorte judaico...

BANDA SONORA: como o DVD ainda estava no sistema, continuo com o DVD do mano Timberlake. Fabulosa a transforma��o �: de t�tozinho dan�arino da Disney, para mano black com sotaque perfumado pelo aroma a grelhados e whisky do Tenessee




escrito por alvaro �s 12:08 da tarde
|




 

ESTRELITA MARX: Um dos comments recentes vem assinado pela Estrelita. Nada mais nada menos do que um das vozes mais criativas e poderosas da radio nacional: a menina Carla Marques que aturou as mais de 30 directas que fiz em 2002, nas agora historicas manhas da Nova de ent�o, entre outros delirios que fizeram desse periodo , um dos mais divertidos e fervilhantes momentos da minha carreira .Verdadeira sopa de pedra, de cuja receita me orgulho muito e s� possivel devido a um espirito benigno e de oculos escuros que tomou conta de todos n�s, em particular dos que me aturavam diariamente.Nomes como os de Francisco Menezes, Luis Oliveira ,Cesar Nobrega, entre outros , poderiam ser a prova de que algo muito interessante aconteceu numa esta��o de radio, que recordo , tal como hoje , apenas dispunha de um emissor. S� o estado ainda catat�nico da radio nacional e a surdez de muitos , pode justificar que ainda nao tenha dado o mais que merecido salto.Seja como for, aproveitando a sua entrada " marota" nesta tasca, queria agradecer-lhe publicamente os motivos que me deu para acordar, isto �, para aparecer a horas no estudio, uma ideia do "minhoto" Candido Gomes, que quando me convidou para sair da cama �s 6 , se deve ainda hoje lembar que lhe disse " estou fo....o"

BANDA SONORA.: a " seguir" a menina , que creio ser brasileira , tal como a prima mais velha Gisele Bundchen que abrilhanta o novo video de Timberlake




escrito por alvaro �s 3:13 da manhã
|




 

LETS GO OUTSIDE: Por falar " no outro", um dos regressos de 04 � o de George Michael.Tive oportunidade assistir ao unplugged da MTV e de "combiber" com o artista alguns momentos , que ali�s j� tinha tido oportunidade ver em Berlim, quando se iniciaram os premios europeus da MTV.E mais ainda, quando o proprio se refugiava em Londres e de uma forma muito simples era DJ nas Festas das Galerias, basicamente festas tematicas que poderiam surgir em qualquer galeria de arte londrina, organizadas por amigos ligados � companhia , onde ent�o trabalhava a Music Box.Por varias vezes ,referi que o problema nao era o anuncio , ali�s esperado da sua homossexualidade, mas sim a aus�ncia longa e que se aproxima dos 10 anos dos palcos.Com este regresso a todo o vapor, nao custa a acreditar que se far� a todas as dimens�es, palco incluido.Sei que uma comitiva alargada ir� em breve a Londres , para esse encontro mediatico. Ficamos todos � espera do resultado dos jogos das capas em que a promo��o discografica, continua a enterrar os seus recursos e paci�ncia.Pelo que conhe�o destas embaixadas , acredito que seja precisa uma dose extrema de tranquilizantes para aturar a rapaziada habitualmente catita e bem disposta que faz parte destes numeros ....

BANDA SONORA: ainda o DVD de Timberlake , um cocktail explosivo que inclui, makings of, grava��es da MTV America, bastidores e os 5 videos at� agora realizados.




escrito por alvaro �s 2:58 da manhã
|




 

QUINT�O E AMARAL REIS AO PODER: Como descrever a noite Zig Zag do Triplex deste sabado? celebra��o ?, delirio? des-alinhamento? ou e simplesmente o amor pelo " rock and roll" neste caso, no contexto em que Quint�o e Amaral Reis se apresentaram.Para quem nao conhece, o espa�o ocupada por um caseir�o na Avenida da Boavista, nao � uma "disko" tradicional, nem possui o equipamento de som mais avan�ado para tornar a performance ainda mais cristalina.E eram de facto 8 horas da manh� , quando a romaria terminou pura e simplesmente porque tinha de ser, nao porque os foli�es nao aguentassem mais umas horas de " guerra". E como um filosofo ter� dito um dia, "quem viu , viu. Quem nao viu, nao viu"...

BANDA SONORA: o maginfico DVD de Justin Timberlake. Como dizia o outro escutem sem preconceitos; bem alto e se possivel numa aula de spin bike e depois respondam-me.




escrito por alvaro �s 2:40 da manhã
|




 

LOVE VIBRATION E ESPANHA AQUI TAO PERTO: Tenho seguido com muita aten��o o percurso do trabalhador-musico, Josh Rouse. Infelizmente , ainda nao o pude ver live, uma tradi��o minha, j� que por varias vezes estive em cidades onde o artista iria tocar ou tinha tocado ; e na ultima vez em que isso seria possivel, estava profissionalmente ocupado com outro evento , concretamente a ver os DoorsC21 em Atlanta, cidade onde Rouse se apresentou com Leona Naess, precisamente na mesma noite e num ponto a mais de 50 km , apesar de se encontrar ainda no mesmo perimetro urbano da Atlanta metropolitana.Mas conhe�o , bem, quem j� o fez, e ainda por cima nos USA, numa daquelas tour infindaveis em que o songwriter se envolve durante quase todo o ano.Nao ser� certamente pela metafora de uma casa em Espanha , com que brindou o jornalista da Uncut, a proposito dos seus planos mais proximos, mas o facto � que durante Fevereiro sao 4 as datas anunciadas para Castela.Mais uma vez , nenhuma das agora muito abertas fronteiras, parece vir a ser utilizada.E digo parece, porque � porta do Triplex, alguem me revelava a possibilidade, ainda remota ,do artista pisar palcos nacionais( o Rivoli seria o indicado no Porto) e espalhar a sua Love Vibration....

BANDA SONORA: j� que Rouse se "encontra em 1972" , o DVD de qualidade manhosa, mas documento imperdivel sobre o que foi mesmo, o concerto de despedida de Rod Stewart e dos Faces. Com Keith Richards algures entre Marte e Plut�o, as ervir de guest star e a alinhar-se imediatamente com o futuro Stone, Ron Wood.




escrito por alvaro �s 2:15 da manhã
|




 

UMA IMAGEM: Esta quinta feira, vou estar na Maia a proposito da World Press Photo. A emiss�o do Porto sem Abrigo vai passar pelos premios da organiza��o e pelo evento em si. Nada mais a proposito, do "brutal sil�ncio "da foto que A Bola escolheu para noticiar a morte do futebolista.Sublime , na sua dimens�o iconografica e Humana.E como muitas vezes acontece, sem precisar dos comentarios, delirios, e de todos os excessos da ruidosa maquina de infoentretenimento que todos,s em excep�a�, alimentamos.

BANDA SONORA: ainda o sil�ncio de uma noite celtibera � beira Foz plantada




escrito por alvaro �s 2:03 da manhã
|




 

FEHER: Era menino, quando numa tarde de cinza celta, vi o meu idolo de inf�ncia tombar do Olimpo , qual Icaro, queimado pelo seu proprio esfor�o. Nao me recordo de silencio tao sepulcral e tao premonitorio como o dessa tarde de 16 de Dezembro de 1973.O meu idolo chamava-se Pav�o e como milhares de outros " fieis" sa� do "templo "no mais absoluto sil�ncio.-ritual, sublima��o colectiva e de religiosidade que ainda hoje recordo com a nitidez de um DVD cristalino.Era um mar de cinza , negro, e verde cujos tons nao eram muito diferentes , das condi��es atmosfericas de domingo passado e que os acontecimentos deste fim de semana, me fizeram re-ver instantaneamente. .A unica vez que vi Feher, fora dos relvados e de contextos proprios da sua profiss�o, foi num dos meus " escritorios" da Foz.Nutri, � distancia, uma daquelas simpatias " surdas" que nao se manifestam , e que se baseiam em relatos externos e em especial atraves das entrevistas , em que o jovem hungaro, mostrava uma educa��o e intelig�ncia acima da media.Como futebolista, parecia-me que as promessas iniciais, apesar de ainda a tempo, nao se iriam concretizar com a dimens�o aguardada. Mas o que importa tudo isso, perante um momento de Sociedade do Espectaculo ao nivel mais absoluto que se possa imaginar? � por isso que o " ruido" que rodeia o seu sacrificio no altar da religi�o espectaculo,� tao tonitroante como o silencio analogico, que rodeou a morte de Fernando Pascoal das Neves, o meu eterno numero 6...

BANDA SONORA: o sil�ncio mais absoluto de uma humida noite de Foz do Douro




escrito por alvaro �s 1:52 da manhã
|

 



segunda-feira, janeiro 26, 2004

 

STELLASTARR* ou como deixei de me preocupar com a sanidade e a amar a bomba* : �.... � claro que quando a senhora falou em advogados de crime tudo me pareceu normal.... E quando me disse que tinha sido cantora ( no conservat�rio ) e tinha escrito v�rias can��es para o Marco Paulo, n�o vi porque n�o.... Disse-me que era detentora de uma grande fortuna e n�o tinha um tost�o. Que o seu marido, o maior vil�o desde Mata-sete, lhe tinha forjado assinaturas e falsificado contratos. E eu, com uma grande dose de amor pelo reino do surreal, fui ouvindo.

Ent�o, explicou-me que a filha � que estava na sala de espera � fora, em tempos, sequestrada pelo pai tirano e for�ada a escolher um eleito como seu nubente entre seis homens � disposi��o.... Oh ! A perf�dia !

E de repente... De repente come�ou a explicar que o que realmente a trazia pelo escrit�rio naquela ocasia�o era os maus tratos infligidos por Sr. X, o conjugue terr�vel, ao filho... E narrou em transe quasi hipn�tico:

� Sr.Dr. ele � muito mau com o meu filho! D�-lhe subst�ncias t�xicas e qu�micas e droga ! Injecta-o contra a vontade e espanca-o ! E utiliza a pol�cia para o fazer ! Ainda no dia 22 vieram 37 inspectores e 27 agentes e levaram o meu filho na mala do carro... E meteram na mala c�es ! C�es, Sr. Dr. ! Porque o meu marido lhes pagou muitos exapentamilh�es !

�Exapentamilh�es�... De repente, estava a ver um bloco de notas em que eram discriminados todos os valores, em exapentamilh�es, devidos pelas can��es na Coreia, no Jap�o, na Austr�lia... Todo a d�vida do sudeste asi�tico e Oce�nia dava para acabar com a fome em �frica atrav�s de chefes de nouvelle cuisine....Foi a� que achei melhor desistir...�


STELLASTARR* - STELLASTARR*

Voc� � daqueles que gosta de um pa-ra-pa-pa-pa ? � um mel�mono que assobia e cantarola as can��es pop da sua especial predilec��o sem qualquer falso pudor ? Tamb�m gosta de uma pitadinha de na-na-na-na nos seus �tr�s acordes� dan��veis ?

E tudo isto numa s� can��o. Falo de � No Weather�. N�o � a melhor do �lbum, � s� a que est� a tocar. Mas podia ser qualquer outra: Jenny, My Coco, Homeland ou o single Somewhere Across Forever, j� conhecido.

Os Stellastarr* s�o americanos, radicados em Nova Iorque e formaram a banda na escola de arte ( que raio de locais !!!! Pior mesmo s� universidades de direito ). E o culto leitor pergunta: Isto n�o me soa a Talking Heads, dadas as coincid�ncias atr�s descritas ?

N�o, a �nica banda americana a que isto soa s�o os Pixies ( guitarras em crescendo, deliciosos berros hist�ricos e harmonias vocais � la Peter, Paul & Mary ). De resto, ouviram muito The Cure e demais bandas da brigada da gabardine anos 80. Ah, e dizem que gostam de Pulp. Mas, quem � que n�o gosta ? Disso e de crian�as...


1 ) In The Walls;
2 ) Jenny;
3 ) A Million Reasons;
4 ) My Coco;
5 ) No Weather;
6 ) Moongirl;
7 ) Somewhere Across Forever;
8 ) Homeland;
9 ) Untitled;
10 ) Pulp Song

Produzido por Tim O�Heir. RCA 2 004.

* Qualquer semelhan�a com a realidade � pura coincid�ncia




escrito por Ricardo Salazar �s 1:04 da tarde
|

 



sexta-feira, janeiro 23, 2004

 

JOGOS DE TELEVISAO: � uma cena notavel na sua dimens�o absoluta de " poder hollywoodesco": um travelling curto , mostra os 3 finalistas do Dating Game, o jogo de TV ,inventado pelo bizarro Chuck Barries e retratado no filme de George Clooney: a concorrente, escuta deliciada a voz de um deles . O plano permite perceber que os outros 2 sao Brad Pitt e Matt Damon.A reflex�o podia ser sobre o que " vem de dentro" e nao o que se apreende como beleza fisica.Mas o essencial acaba por ser, o " poder hollywoodesco" entendido como o acesso de Clooney a duas estrelas, para uma apari��o de segundos num filme, ainda por cima extremamente pessoal.A recomenda��o para alugarem Confessions of a Dangerous Mind vai mais longe , porque quando alguem diz,, " nunca ter imaginado que tantos americanos quisessem aparecer na TV ,para fazerem figuras de parvos.." a proposito do Gong Show, uma especie de Idolos da epoca, estava e de facto a olhar para o futuro de alguma TV Generalista do nosso tempo...


BANDA SONORA: a forma como as can��es do filme, definem a passagem do tempo...




escrito por alvaro �s 3:54 da tarde
|




 

GUERREIROS ZIG , GUERREIROS ZAG: Chegam � cidade os Zig Zag Warriors. Quem conhe�e as criaturas , sabe que se deve esperar o inesperado, da plays list curvilinea que os rapazes dos Olivais, Encarna��o ou mesmo Avenida de Berlim, Jose Pedro Reis e Miguel Cowboy Quint�o, numa rara apari��o surpresa no Porto, na noite de 24. O Triplex vai ser certamente pequeno para conter a energia de uma noite que promete e pelo menos ( bom ) rock and roll.O idiota do DJ Pasteleira assegura a primeira parte, confirmando a sua tend�ncia habitual para o exibicionismo barato. Fontes( bem colocadas) garantiram ao viarapida que ira abrir com 3 can��es de uma s� nota sustenida, pratica que se pode encontrar algures a norte dos Stooges,a leste dos Velvet Underground e a sudoeste do BRMC...

BANDA SONORA: o Ar decididamente fran�ais do novo Air




escrito por alvaro �s 2:58 da manhã
|




 

SPIN BIKE FM: Poderia chamar-se Health Club FM.Ou Spin Bike FM.No meu caso, nao me posso queixar da irrepreensivel escolha de bombastico ReB para dar ao pedal , sob a direc��o do Raul, um brasileiro bom de bike que nao nos deixa respirar e muito menos ter tempo de olhar para as vizinhas do lado, a swingar ao som de Pharrel, Ashanti, Outkast , Britney Madonna e do inevitavel rei das senoritas Justin Diaz Timberlake. Lista que vai certamente merecer a aprova��o do novo membro do gang, Jorge Manuel Lopes...

BANDA SONORA: os momentos humidos e celtiberos criados em Gales , para o album III, e que nunca viram a luz do dia e muito menos da noite, evocada pela Gibson de Jimmy Page durante o inverno de 1970.




escrito por alvaro �s 2:44 da manhã
|

 



quinta-feira, janeiro 22, 2004

 

M�o do adeus: �Number 10-between heaven and hell�... o musical...o homem� e o que resta do homem. O amiguito Diego Maradona est� bastante honrado com o musical acerca da sua vida! As m�s linguas, plenas de aftas, sugeriram uma mutacao entre topogiggio e Mario Jardel.
Balcony of casa rosada, 3 actores para as diferentes idades...Fantastico!

Patrocinio: Bolachas triunfo ( cantores em operacao) e Farinha branca de neve (...e coisa ruim!)

Reporter internacional aka La peste




escrito por alvaro �s 7:53 da tarde
|




 

Alive @ Sin : J� repararam na quantidade de can��es do Tom Waits que come�am com um simples "Well ...". Na trilogia Swordfishtrombones > Raindogs > Frank�s Wild Year�s � enorme.

Como banda sonora temos "listen to the lion" - Van Morrisson in Saint Dominic�s Preview. � o som daquela f�bula do Rato, do Le�o e do espinho. Lembro-me de qualquer projec��o no infant�rio, na d�cada de setenta do s�culo passado.

E Jackie Wilson said ( I�m in heaven when you smile ). The Celtic Soul Brothers e Too-Rye-Aye...

Well Well Well .... Simples Well. Captain Beefheart in Trout Mask Replica. A melhor capa rock de todos os tempos nesta semana.

E, bem... Eu tinha pensado escrever algo sobre Live at Sin-�. Jeff Buckley, descoberto com este disco. Um rapaz a distribuir discos do cat�logo da Big Cat. Eternal Life e estavamos no seu trilho...

The way young lovers do. Astral Weeks e Van, the Man again.

Bem, e a marta que me passou a pedir discos "t�o bons como aquele do Jeff Buckley..."

E a Sony portuguesa que n�o sabia o que tinha ( e a sua cong�nere estrangeira, idem ) at� o Mississipi encher os seus cofres....

Dylan em Just Like a Woman ou I shall be released.

Nusrat Fated Ali Khan. Tim Buckley. Tom Verlaine. E, bem, Lover, You�ve should come over...




escrito por Ricardo Salazar �s 7:35 da tarde
|




 

: No F�rum Sons algu�m escreveu �cambada de putos arrogantes-pedantes-imberbes com a mania�. Imagino que o tenha feito com inten��es depreciativas. Mas o contexto n�o interessa.
O que interessa � que, quando tiver uma revista de m�sica, este ser� um nome a considerar. Fortemente.
(J� imaginaram o contr�rio de �cambada de putos arrogantes-pedantes-imberbes com a mania�? Assusta, n�o assusta?)
Obrigado aos cavalheiros deste estabelecimento por imaginarem que � boa ideia aturarem-me.

[Daft Punk - �Aerodynamic (Daft Punk Remix)� ; �Harder, Better, Faster, Stronger (The Neptunes Remix)�]




escrito por Jorge Lopes �s 6:56 da tarde
|




 

POW WOW: Chamo a tribo para um pow wow de radio, esta madrugada depois das 0, na Antena 1. No Porto( sem ) Abrigo, andamos �s voltas pela " baixa", � procura de blogues e da forma como estes " mendigos" da comunica��o, estao ou nao a influenciar a linguagem e edi��o tradicionais.O guest star � Jorge Manuel Lopes , editor com base( rara) no Porto do jornal Blitz, indirectamente um dos temas da habitual noite de radio , que coordeno de quinta para sexta na RDP-Antena 1.

BANDA SONORA: mega maratona Zep a la bootleg, para este vosso humilde servo.Agora , o " outro lado" do live na BBC. Completo, contextualizado e verdadeiramente live, no sentido em que nao existe qulaquer montagem ou re-ciclagem criativa. Fenomenal




escrito por alvaro �s 11:27 da manhã
|




 

MAGIA BRANCA, NEGRA OU MAIS UM EPISODIO DE CASEI COM UMA FEITICEIRA?: Por falar na toxisexualidade de Miss Britney, " a culpa � de Las Vegas" Spears, posso recordar um episodio do mais alto calibre losangeleno.A ante-estreia do filme( ?) Crossroads, em pleno cora��o da nova Hollywood: novo Graumann Chinese; novo El Capitan,um cinema renovado pela Disney , visual filme de piratas, antes de Depp, re-inventar o genero e claro o novo pouso dos Oscars, o imponente�Kodak Theater.Media-circo � parte( chegadas, limos, foreign press e nomes como os de David Hasselhoff, Mandy Moore, Jon Voight , concentrados � porta do vetusto e classico Chinese, foi a entrada trunfal do parzinho Spears - Timberlake que mobilizou a gritaria toda.Pouco saberiam entao que seria uma das ultimas apari��es conjuntas dos ex dan�arinos infantis da Disney, leia-se Mousekateers, fun��o classica made in Hollywood, objecto de culto proprio.Quis o destino que ambos ficassem na minha area , largos minutos. Tudo isto aconteceu em Fevereiro de 2002. Desde ent�o as carreiras de ambos sao razoavelmente conhecidas por todos. E acreditem ,que mais surpreendente que a transforma��o da ex Virgem da America, na nova Barbie soft-hard, core delux planetaria, ou mesmo a confirma��o que a menos de 1 metro de dist�ncia , a nao se parece nem de perto nem de longe com " a video boneca" que todos conhecemos( rosto muito pequenino; pernas musculosas e presen�a tao sensual como a de uma gata embalsamada), � a figura de Timberlake que ganha por KO. Quem diria que o jovem parolinho e com ar e quem estava melhor no seu celeiro do Alabama a tratar da cria��o se transformaria no branco mais preto e mias swingado da America? de tal modo que ao contrario do outro, ainda o vamos ver com uma doen�a de pele que o vai tornar mais um homie, com lugar nos "filmes " do mestre Snoop Dogg , e espa�o num Chevy Caprice, armado de AK 47 aos tiros pelo hood a tudo o que tenha uma cor de bandana diferente do seu gang....
Magia branca ou negra � parte , e por raz�es diferentes, o Justin que estacionou � minha frente em mais uma tarde onde o sol brilhou na TV( como sempre, alias dito retirado das cita��es de conhecidos filosofos pop noruegueses) nao � o mesmo, que vejo no meio das Senoritas , e com a ben��o do mano Pharrel , o Rei Midas da pop...




escrito por alvaro �s 4:38 da manhã
|




 

OUBE L�? TAS A OUBIR?: Tou a ouvir Ace; e acredito que o caseirismo das "intensiacedades", o vai levar a outras dimens�es. Nao me surpreende, j� que fui eu ,quem o convidou para o mal compreendido, mas estimulante "Homens � beira de um ataque de nervos". O humor e a imagina��o do MC, nem sempre era visivel sob o icebergue militante e street dos MDG.J� vi o clipe, igualmente made em Madail City. Os avan�os e progressos sao evidentes , apesar de mais uma vez os meios terem sido, abaixo de c�o, como j� � infelizmente habitual...

BANDA VISUAL: Toxic, claro. Um prazer proibido, pela fechadura da MTV




escrito por alvaro �s 3:41 da manhã
|




 

EL VEZ DE VEZ: Segui com aten��o,o, o espa�o dedicado pelo XPTO de hoje, ao Sons de Vez, um festival onde El Vez, o Elvis mexicano e figurao das noites de Hollywood, nao hesitaria em abra�ar ,se possivel com um bom " pingato" da regi�o.Folklore � parte, o essencial da conversa que os apresentadores mantiveram com o Jose Costa e o responsavel pela Casa das Artes local, ultrapassou a habitual presen�a promocional que caracteriza estas cenas.Por acaso, estava na area backstage quando se combinou este encontro, que se concretizou agora. Nao me surpreende a abertura que o programa tem tido a eventos que precisam de auto-estima e espa�o mediatico para se colocarem no terreno; como o crescente interesse com que organiza��es, artistas, editores etc demonstram por um espa�o cuja historia conhe�o demasiado bem, para ter qualquer duvida que seja para sobre o que estou a " postar". O que me leva a incluir esse momento, passa pelo cartaz( tiger man, x-wife, radio macau, alla pollaca em 4 semanas sucessivas) pelo local onde se realiza( sou um minhoto compulsivo), mas e acima de tudo pela lucidez demonstrada. Com conhecimento de causa, o Jose Costa referia que seria mais facil e at� "mediatico" , usar os recursos financeiros para cenas de fachada , que nao permitem crescimentos sustentados de nada, a nao ser egos e interesses , nem sempre, tao "cat�licos" como possam parecer. E num tempo em que as " vacas continuam esqueleticas" , sem que os experts da materia , prevejam uma " "engorda" equilibrada, � esta consci�ncia exacta do que est� em jogo que pode permitir um relan�amento, agora bem mais sensato, do papel municipal no circuito de live music nacional, que e como Luxuria Canibal , lucidamente apontou como uma das causas da debacle de 2002-2003. Lucidez que e infelizmente alguns dos seus colegas, que como a cigarra se esqueceram do inverno, nao demonstram ,esquecendo mesmo que alguns dos or�amentos irrealistas com que muitos foram brindados e presenteados,nao se poderiam manter ad eternum, sob o risco de afundarem um barco fragil e desiquilibrado.....

BANDA SONORA: para alguns , o santo graal dos boots Zep: a grava�ao de soundboard do concerto de Cleveland, em 1977,na que viria a ser a ultima tour dos todo-poderosos.




escrito por alvaro �s 3:07 da manhã
|

 



quarta-feira, janeiro 21, 2004

 

� Get drunk�Get well!�: O principe Charles (�sim quero sentar me na tua cara e pedalar nas tuas orelhas!) mostrou mais uma vez a sua preocupac�o com a �outra� grande familia britanica: Os Osbournes! O �papa bear� Ozzy tropecou numa moto quatro e foi hospitalizado com um doi doi...ha quem diga que morreu duas vezes...coisa de ingleses!
Para suavizar a queda o principezinho , seguro do protocolo, ofereceu uma grade do melhor whisky Islandes ao presidente demissionario dos alcoolicos anonimos!O cartao dizia: � Get well�
Carlitos volta aos devaneios sexuais


Patrocinio: Serenity prayer versao Pudins Royal

Reporter internacional aka La peste




escrito por alvaro �s 6:34 da tarde
|




 

E se depois ????: Imaginem um universo paralelo onde a hist�ria do Rock �n� Roll � rescrita e as imagens mostram-nos o mar de possibilidades de que Patti Smith falava em Horses.

Essa dimens�o paralela existe desde os idos de 70. A rota estelar para o cora��o do sol tem como coordenadas � Rock Dreams�, com pinturas a. k. a. �fotografias � la Sandman� de Guy Pellaert ( holand�s ) e coment�rios a.k.a. �relatos onanistas� de Nick Cohn ( Ingl�s ), em reedi��o Taschen.

Fechem os olhos e vejam como a revolu��o ( que ser� �telepatizada� ) sucedeu:

- Rolling Stones em pose de oficiais das S.S. de causar pesadelos aos futuros condenados no processo Casa Pia. Cerca de seis raparigas em idade pueril, com Charlie a tocar o violino, Keith a tomar ch� e Sir Mick ( com ligas ) agarrado ao seu �crotch�.

- A luz branca de Nova Iorque. Velvet Underground nos becos e agulhas na casa de banho. Sterling vem da luz.

- Beatles em pose de embaixadores da commonwealth. Ch� com a rainha ( m�e de freddie de zanzibar ) em azul.

- Dylan: Hobo > a New York City Folker > Superstar > Country Messiah. Com gato ( como in Like a Rolling Stone �...a siamese cat ...�

- E Frank. O conceito da m�sica popular. A imagem de todo o Rock �n� Roll. O Alfa e o Omega. A serpente ourobouros. A caminho de Hollywood ( golgota onde imolaram o filho, Elvis ) e nas sombras. One for My baby.. One more for the Road...

- Chairmen of the board: Isaac Hayes; Marvin Gaye; Sly Stewart; Curtis Mayfield; Rebbeca Flack e a sombra tutelar de Hendrix.

- E Jim. Na Roadhouse. Na cristandade do momento na casa de banho parisiense.


E as outras todas .... A �ltima ceia de Elvis ( o criador do som do Rock �n� roll ).... Phill Spector... Jerry Lee e Myra....

Meu deus ! quero ir para casa, esquecer o julgamento no tribunal de pequena inst�ncia c�vel, tirar a gravata e por a tocar no gira-discos... � Brothers and sisters ! Brothers and sisters ! Is now time for you to decide... Are you gonna be a part of the problem or are you gonna be a part of the solution ???? Kick out the jams, motherfuckers !!!!!! �

�Rock Dreams� � Guy Pellaert com Nick Cohn - Reedi��o Taschen.

Nota: Pellaert fez, durante os anos 70 v�rias capas de discos. As mais famosas s�o a escadaria e banda do It�s Only Rock �n �Roll dos Rolling Stones ( Rolling Stones Records 1975 ) e o Diamond Dogs ( RCA 1974 ) de David Bowie ( em que o h�brido bowie / grand danois teve o pirilau apagado pelos censores da RCA ).




escrito por Ricardo Salazar �s 1:32 da tarde
|




 

SER OU NAO SER M.E.C: Poderia usar as teorias de guerrilha pop-rock de Joe Carducci em Rock and the Pop Narcotic, para refor�ar com cimento, o regresso de MEC , �s lides na edi��o de ontem do Blitz. Mas , e como perspectiva de discuss�o a ideia que a superioridade da escrita, reside em parte na
possibilidade de se perpetuar com mais facilidade e por outro lado , atormentar quem foi capaz de solidificar opini�es que j� nem conseguimos perceber porque existiram um dia. Simplificando e usando esta tasca digital, poderao rever seja o que for que disse em Junho( os arquivos estao disponiveis), mas ser� mais dificil re-escutarem, ou re-verem, tudo o que possa ter dito no XPTO e mais recentemente nas emiss�es da Antena 3 a que estou ligado. Nao � crivel que mesmo os que gostam mais do nosso trabalho o armazenem em k7s de audio ou video, com a mesma facilidade com que se arrumam jornais ou livros. O que quer dizer que MEC teria de come�ar por re-ver, 20 anos depois, o que era feita das suas paixoes. Nao duvido que tenha tido o mesmo choque que temos ao encontrar por acaso, velhas paixonetas estudantis.O momento, stupid: its the moment. Por isso em 2004 nao existem " razoes para um mundo ma�udo precisar de Kid Creole" como ele escrevia na Musica e Som em Setembro de 1981.Como e , aleluia, nao existem nenhumas razoes para um mundo tao excitante, precisar do antibiotico dentario, amplamente fornecido pelos Tindersticks, mais uma dessas vacas sagradas, que quase ninguem teve coragem de derrubar , nos ultimos 10 anos.Sei e sinto que ser� um tema quente neste bloguistao lusitano...


BANDA VISUAL:A Pink e as amigas da Pink; e os amigos..aquelas cenas




escrito por alvaro �s 4:19 da manhã
|




 

CONTA-ME HISTORIAS : Como fizemos hoje no XPTO, estao convidados a contarem historinhas, com xutos e muitos pontap�s � mistura.Uma forma de esta tasca digital, se associar como blog oficial �s comemora��es dos 25 anos DA banda rock do pa�s....

BANDA VISUAL: a reprise do XPTO de ontem




escrito por alvaro �s 2:59 da manhã
|




 

STRUMMER, PASTEIS DE NATA E WENDY JAMES: O Doutor do Rock, lembrou e bem a mitica figura de Joe Strummer.Para que conste era um cliente regular do celebre Cafe Lisboa, e dos magnificos lemon pies, isto � pasteis de nata de enorme qualidade, que a comunidade artistica de Ladbroke Grove e Notting Hill Gate procurava com apetite. Mas nao era necessariamente a figura real de Strummer que aguardava; apesar do enorme respeito que sempre me mereceu, ver rock stars j� nao me excitava muito . A nao ser que essa rock star fosse a Wendy James, acompanhando regularmente o lider dos Clash , no ritual luso-acucarado da Golborn Road..

BANDA SONORA: mais um boot dos Zep, tarefa que ira resultar num trabalho para o Blitz sobre a dimens�o " escondida" que as centenas de discos piratas dos todo-poderosos significa para a re-escrita da bombastica e controversa carreira da banda




escrito por alvaro �s 2:49 da manhã
|

 



terça-feira, janeiro 20, 2004

 

Libertem Joe Strummer !: E o captiveiro a abrir, como o "nosso bardo imortal" afirma, ser� o da lei da morte... Ser� o do esquecimento e da ignor�ncia. O pr�prio Strummer fez quest�o em desaparecer no seu per�odo p�s-clash... Talvez sentimento de culpa pelo Cut The Crap e pelos maus tratos � sua nemesis Mick Jones. Talvez a dor sentida pelo fim do sonho dos novos contratos para todos os Punks.

Eu sinto saudades de ter 15 anos e ter a sorte de ouvir discos como o London Calling. De dan�ar can��es como o Train in Vain. Hoje divirto-me com uma ironia mordaz e pessoal ao experimentar cada segundo de I Fought The Law .... Porque supostamente a Lei ganhou.

Cam�es falava de Afonso de Albuquerque a prop�sito "daqueles que da lei da morte se v�o libertando"... Um Vice-rei sanguin�rio... Bombas em Goa, Dam�o e Diu... Nada pelos Sandinistas, bombas em Espanha e ideais Punk que tanto podiam ser refletidos em can��es como Janie Jones ( ... "he�s in love with the rock�n�roll world... " ) como nos �ltimos dias...

Com os mescaleros ou com Johnny Cash. Com Redemption Song .... "All the pirates, they all rob us... "

Obrigado, Mr. Joe.

Post scriptum: um dos sonhos antigos e cont�nuo objectivo anual � arranjar o primeiro Elvis para a RCA em vinil. A raz�o ? Tem tudo a ver com a capa do London Calling.




escrito por Ricardo Salazar �s 4:29 da tarde
|




 

tur on the bright lights again and again: a prop�sito dos interpol e do grandioso turn on the bright lights que passou completamente ao lado do nosso mercado , das nossas radios , ao lado de tudo, a n�o ser do pessoal habitual sempre mais atento que o resto do outro pessoal que continua a viajem do vazio e da santa ignorancia
porque se eu fosse f� de musica de dan�a ou de rap ou de qualquer outro estilo musical gostaria tb de saber e de ouvir os grandes discos dos outros estilos musicais
o nosso problema come�a aqui, j� n�o chega sermos musicalmente um pais de zeros como os poucos que tem interesse pela coisa s�o por vezes os mais sect�rios e presun�osos tipo eu s� gosto disto e disto, n�o gosto nada daquilo e n�o compreendem que a musica num pais como o nosso deve sobretudo ser defendida, apoiada e estudada e nunca relegada porque fulano ou sicrano n�o gostam do disco ou porque n�o foram eles que o ouviram ou passaram primeiro
� um pouco como o pais. temos que nos deixar destas coisas que nos distanciam do resto do primeiro mundo e que nos envergonham profundamente, porque o ser portugu�s hoje em dia � muito dificil para aqueles que como eu n�o gostam da mediocridade e mais particularmente desta mediocridade cultural (ex: no quem quer ser milion�rio , concurso do canal 1, perguntavam a que estilo musical missy elliot estava ligada , a resposta foi ao jazz e a resposta foi dada pela ajuda telef�nica do concorrente que escolheu um amigo musico que tinha a certeza que missy elliot estava ligada ao jazz)
sou da opini�o que a boa musica n�o tem idade n�o tem tempo nem estilo e pode ouvir-se num qualquer espa�o temporal
resolvi recuperar o disco dos interpol nas emissoes do mq3, como se fosse um disco acabadinho de sair (como se ele precisasse de alguma ajuda para ocupar o lugar que lhe pertence, entre os grandes)

banda sonora: interpol - hands away




escrito por miguel �s 4:15 da tarde
|




 

NORTONIAS: Foi o destino; ou e mais prosaicamente o acaso: procurava eu ver imagens da ultima jornada( em especial do rio-aveVmoreirense) quando dei de caras com uma reportagem sobre o que percebi, ser o vencedor do concurso dos Idolos.Sem complexos , nunca vi , nem me interessa.O que pode nao interessar a mais ninguem . Seja como for demorei muito tempo a perceber que o Norte de quem se falava era o Nuno e nao o Norte de um outro Sul.Esse mesmo, a proxima vitima da sociedade, da rua, dos que estao mal com a vida e o artista que o JCS do Mundo de Aventuras , ser quase impossivel de dirigir.Mas isso era nos anos 90. Lembram-se? Eu, ainda com alguma nitidez. E corte de cabelo para aqui, pu para ali; pose mais ou menos saudavel pelo meio, nao me choca nada que o rapaz tenha deixado as ruas do Porto e j� nao sofra de qualquer doen�a de Parkinson.E at� se alimente melhor. Good for him, diria a minha ex sogra americana.E que tenha sucesso, e seja feliz.O que me espantou nao foi tudo isso, e muito menos a magia branca operada. Seria at� giro que alguem se lembrasse de o confrontar com a figura que fazia ent�o e nao com a figura que faz hoje.O que me chamou a aten��o na pe�a, foi a resposta � pergunta sacrosanta sobre a musica portuguesa e as merdas do costume. Pior do que a pergunta foi a resposta decorada com o "ar do costume", sempre que um artista da casa, � confrontado com um jornalista , ele proprio com aquele ar compenetrado e lutador( costume? ser� que Norte j� d� entrevista sobre o assunto h� dezenas de anos?) e com as respostas ,ainda ,com mais "costume": as radios nao passam musica portuguesa; as editoras nao apostam.... pois....est� bem; certo. E viva o Norte.

BANDA VISUAL: aquelas cenas maradas da Missy Elliott




escrito por alvaro �s 4:43 da manhã
|




 

BIDEOS E MENOS OUBIDEOS: Por falar em Sol, uma sequ�ncia inteligente e rara: primeiro a bombastica melissa do muro, ( soa menos sexy do que auf der maur convenhamos) e os Circulo Perfeito.Em resumo videoclipico, o primeiro grande concerto do ano.

BANDA VISUAL: BUSTA, p Diddy, Kravitz e gajas. Muitas gajas. Certo? certo....




escrito por alvaro �s 4:15 da manhã
|




 

SO ALIVE: � uma das bandas sonoras desta tasquita: um dos ( poucos)projectos resistentes da era dourada e alucinada da internet radio, ocorrida na falecida decada de 90( paz � sua alma).Se o design-interface � naturalmente diferente e se a oferta da www.3wk.com se mantem dividida por apenas duas esta��es( a mais do que recomendavel indie, e a classic delux que permite olhar de frente a historia do rock, tudo contado nos primordios da coluna que se chamava Ondas Digitais ) , o acesso � agora divido entre a total liberdade de acesso e uma especie de servi�o pago , modelo que me parece solido e que lan�a pistas para os proximos tempos. Mais do que analises digitais menos interessantes actuamente, � mais conveniente revelar uma vez mais, a continuidade destas audio-perolas...

BANDA VISUAL : Ryan Adams no Canal Sol, ainda e sempre So Alive. Adams claro...




escrito por alvaro �s 4:03 da manhã
|

 



segunda-feira, janeiro 19, 2004

 

the new pharrel ?: josh homme est� a pouco e pouco a tornar-se no pharrel do rocknroll. A sua omnipresen�a come�a a fazer-se notar um pouco por todo o lado , ainda na ultima edi��o bons rapazes abord�mos o assunto neptunes e a sua massiva exposi��o
dei por mim a imaginar que se o pharrel neptune soubesse da concorrencia de josh homme era muito bem capaz de o convidar para participar no novo cd dos nerd (alter ego rocknroll dos neptunes)

banda sonora: tv on the radio - young liars (ep)
um extraordin�rio disco com apenas 5 can��es sendo uma delas uma vers�o acapela de mr. grieves dos pixies
um must




escrito por miguel �s 7:45 da tarde
|




 

anti depressivo : � o melhor anti depressivo que se encontra � venda actualmente no mercado
dura aproximadamente 33 minutos, deve ser tomado o maior numero de vezes ao dia e n�o tem efeitos secund�rios nenhuns

the strokes - room on fire




escrito por miguel �s 4:39 da tarde
|

 



domingo, janeiro 18, 2004

 

PAIVA DE TROY VIA SAN FRANCISCO: Quem vem a esta tasca digital j� se apercebeu das mudan?�s visuais em curso. E tambem da nova entrada, uma poderosa imagem com base no trabalho do luso -americano via Islandia , Troy Paiva. Confusos? apenas uma nota de globaliza��o avant la lettre, j� que a familia do artista emigrou para a America no final do seculo XIX.E como surge tudo isto? simplesmente com uma entrada furtiva na sempre recomendavel Brentano s de Paris e por mero acaso.Uma daquelas ocasioes em que sao os livros que nos " compram". Foi o que se passou com a versao impressa dos trabalhos que Paiva j� tinha editado no site. www.lostamerica.com. O resto da historia j� � mais simples e passa por e -mails trocados � velocidade da luz, a certeza da colabora�ao , frutuosa, com o grande Stan Ridgway e claro o gosto em o incluirmos numa cada vez mais longa lista de luso americanos a ganhar espa�o no panorama de pop cultura norte-americana

BANDA SONORA: procurem wall of voodoo....




escrito por alvaro �s 10:29 da tarde
|




 

RADIO LYNCH: Estou a escutar o DVD de Mullholand Drive. E n�o � o que est�o certamente a pensar.Nao se trata da banda sonora, mas sim de estar com o Filme on, sem o ver.Recomendavel, a quem j� viajou varias vezes pelo labirinto Lynchiano. A percep��o o do filme torna-se radiofonica e amplifica o misterio e as camadas de ideias que o bizarro realizador utiliza para criar a sua reflex�o hollywoodesca , aparentemente mais simples do que uma vis�o periferica do filme possa dar a entender....


BANDA VISUAL : LYNCH RADIO




escrito por alvaro �s 6:20 da tarde
|




 

FAMILIA EWING: Nao direi que � a Familia Ewing do pop rock nacional maa a saga nao anda " longe": e a pergunta � mesmo esta, ser� que j� � possivel criar uma arvore genealogica a partir dos Ornatos Violeta. S�o tantos os luso-descendentes, e at� um cruzamento luso-gaul�s, ainda no segredo de ( alguns) deuses, que a percep��o do p�s "Ornatismo". Um dos grandes assuntos de 2004.....

BANDA VISUAL : apesar de nao ser efectivamente para rir, a pose Cheech and Chong de Snoopy Scorcese diverte-me e muito , a uma distancia bem segura. DVD: compila��o NWA




escrito por alvaro �s 5:42 da tarde
|

 



sábado, janeiro 17, 2004

 

PT#01 : : Reparo que, sobretudo, no �ltimo ano e meio, se voltou a falar muito de m�sica portuguesa. Diria que ainda bem, pois, quem escreve estas linhas, tem na sua colec��o de discos originais, que at� nem � pequena, praticamente 3/4 dedicada ao que se faz/fez por c� ao longo das �ltimas d�cadas.

Mas, como j� � habitual entre n�s, fala-se sempre pelos piores motivos e num discurso redondo e sempre igual, que, no fundo, d� visibilidade aos mesmos 'tubar�es', que v�o desde os patr�es das editoras, ao minusculo leque de artistas que domina o nosso mercado musical. Surgiram funda��es e, posterioremente, a RTP levou a cabo um programa, de largas horas, onde se debateram uma s�rie de quest�es. Com a demagogia de sempre, parecia, ao comum dos mortais, que algo ia mudar.

Quase um ano depois, desse primeiro ser�o de domingo de Fevereiro de 2003, como � natural, nada mudou - tudo continua mal ou ainda pior, e o pouco que melhorou em nada se deveu aos principais protagonistas dessa noite televisiva, que se prolongou at� �s primeiras horas do dia seguinte.

Mas uma curiosidade se levanta: entre os poucos a quem foi dada mais 'voz', nessa noite, est�o 3 dos artistas que mais venderam em 2003 no nosso pa�s e que continuam - aparentemente - � frente de uma 'batalha', que n�o me parece ser a deles.

Hipocrisia? Do meu ponto vista, quanto baste.

Enquanto a luta 'v�sivel' for comandada por quem domina o mercado, n�o vamos, como � natural, a lado nenhum. Esse � o passo decisivo para a 'ditadura cultural', para a qual o brilhante soci�logo portugu�s, Paquete de Oliveira, alertava, em meados da d�cada 80, numa �pica entrevista ao n�o menos brilhante Jo�o Peste Guerreiro, l�der dos Pop dell'Arte e fundador da Ama Romanta, a mais importante editora criada, at� hoje, em solo nacional, nessa luta contra a mediocridade e a opress�o cultural.

E � nesse estado ditatorial que vamos (sobre)vivendo. Uns ficam pelo caminho, cansados de uma guerra perdida, outros deixam de lutar - uns porque cedem ao poder reinante, outros porque j� n�o se querem chatear. Sobram ainda os que acreditam que vale a pena lutar, procurando outras/novas formas de combate, j� que s�o habilidosamente silenciados.

Surgiu tamb�m uma nova gera��o, mas, na maior parte dos casos - h�, como � natural, honrosas excep��es -, e apesar da forte liga��o �s novas tecnologias, o seu peso � limitadissimo. A visibilidade ao grande p�blico � escassa, e mesmo que n�o o fosse, na maior parte dos casos, a nada levaria, pois o desinteresse, por estas coisas, � elevado. A maior parte parece mais preocupada, exactamente, com o querer aparecer e ser famoso a todo o custo, o que o 'poder' acaba por agradecer, pois s�o fen�menos, na maior parte dos casos, ligeiros e passageiros, que n�o perdurar�o no tempo.

Vejo, no entanto, entre aqueles que n�o desistem da 'luta', um ataque cerrado �s r�dios e suas playlists. Como � �bvio, � mais um dos v�rios 'polvos' da ditadura cultural, que procura derrotar, definitivamente, os programas de autor. Mas � importante n�o esquecer que quem faz r�dio n�o me parece que seja o respons�vel por isso. Limita-se a seguir ordens, como muitos artistas, que transformam m�sicas de 5 minutos em 3, para gravarem um disco por uma multinacional. E a televis�o? Onde est�o os programas de m�sica nacional - independente ou n�o? At� o 'fil�o' pimba da segunda metade dos 90's conheceu o seu fim.

Porque � que desde que acabou o 'Miguel Angelo: ao vivo' nunca mais se fez nada do g�nero? Mas ao falar-se desse programa, convem n�o esquecer que, ao longo do seu meio ano de dura��o, passou do quase 'prime-time' para a madrugada, e do s�bado foi atirado para meio da semana. Belo tratamento! Era bem possivel fazer-se um programa assim, com custos bem mais reduzidos - se bem me recordo, foi a 'desculpa' oficial -, como o provam curtas experi�ncias feitas no 'curto circuito', da SIC Radical, ou, mais duradoura, no 'XPTO', da NTV, a prestarem verdadeiro servi�o p�blico de televis�o, ao contr�rio do que acontece com a RTP, que, por exemplo, dedica 6 horas da sua programa��o di�ria a programas de conversa da treta, marcados por sorrisos quase enlatados, a cada 30 segundos.

Tal como Paquete de Oliveira e Jo�o Peste, acredito que ser� possivel derrotar as ditaduras culturais. No entanto, parece-me, cada vez mais complicado. A sobreviv�ncia musical � quase um mito, mas isso at� poder� ser uma importante fonte de subtrac��o de oportunistas. O perigo, ao contr�rio do que muitos autores pensam - e n�o as editoras-, at� n�o estar� nos mp3 ou na pirataria, mas a solu��o, poder� mesmo ser a 'ciber-ecologia'.

L� chegarei.




escrito por rui �s 10:55 da manhã
|




 

SCARLETT: A JOHANSSEN E MAIS NENHUMA: Op��es de DVD de fim de semana gelado: necessariamente Ghost World, ainda ligado aos posts anteriores. A area do filme, uma homenagem � obsessao pop-cultura e ao universo de Daniel Clowes, est� proxima das referidas por Gary Jules ao Y. Cena inesquecivel: a descoberta da velha musica do diabo , o momento em que Thora Birch escuta o disco de Skip James que acabou de comprar na feira de velharias( uma cena t�o L.A. que " at� doi") semanal de Steve Buscemi. E claro, um filme que tem Scarlett Johanssen , chega para ser recomendado

BANDA SONORA: ainda Roy Orbison e uma can�ao de estrada sem fim: Drove All Night que talvez conhecam da vers�o de Cindy Lauper




escrito por alvaro �s 9:56 da manhã
|




 

ESTAMOS TODOS RICOS! : Esta sexta, batemos( e uso o plural, porque as minhas concep��es desta " lucrativa" actividade s�o colectivas) o recorde de page views. No sistema de contagem que o presidente do conselho de ger�ncia colocou aqui, estamos em segundo lugar na area respectiva e nos 100 primeiros dos 1000 blogues contabilizados.Espero em breve distribuir os dolares pelos titulares de ac��es e bazar para Miami Beach. Obrigado a todos por este bocadinho.

BANDA SONORA: nada melhor do que Roy Orbison e a sua Mistery Girl. Nao conhe�o voz mais penetrante, e dark: i am left to burn and eternally; she is a mistery girl, escutado a este hora , olhando as nevoas do Douro e de repente , sentindo que Tim Booth tambem deve ser fan, mesmo que nunca o tenha perguntado ao man , agora mais celtibero que brit, Saul Davies.....




escrito por alvaro �s 9:22 da manhã
|




 

AMERICA PERDIDA, ALGURES ENTRE BARSTOW E O DEATH VALLEY: A liga��o com o Raymond Chandler da pop( Stan Ridgway) tambem se faz pela nova capa desta revista: a base � o ambiente( que conhe�o muito bem e ao qual volto regularmente) criado por Troy Paiva, exacto, de origem portuguesa, com base me fotografias nocturnas do deserto do Mojave e inspirado pelos " cadaveres de objectos, edificios, materiais , que rompem pela alucinante paisagem. Uma parte de uma certa www.lostamerica.com. A olhar.....

BANDA SONORA: visualizei um dos meus velhos Oldsmobile ; o radio numa daquelas esta��es de AM e Roy Orbison a cantar Blue Angel entre discursos de pregadores marados e possessos.




escrito por alvaro �s 9:13 da manhã
|




 

L.A. A NEGRO: Come�o pela banda sonora,( Wall of Voodoo)at� porque � inspirada na pe�a do Jo�o Bonifacio na Y sobre a nova vers�o da LA Noir, Gary Jules, e a bizarra historia que o proprio tem " design ado" com mestria. Neste " bar " imaginario, j� agora sugiro um dos poucos, que ao contrario do que o torturado interprete de Mad World indica ,se mantem de p�, o Formosa Cafe , povoado pelos fantasmas de Lana Turner, Bogart e onde uma das personagens referidas pelo " wild dog" James Ellroy, o sexy gangster Johnny Stompanatto "montou " o seu escritorio do crime, mesmo ao lado dos velhos e originais estudios da Warner Brothers.

Mas todo este universo que Jules cita na entevista publicada ontem, passa por por Raymond Chandler;� desviada para o mundo dos estudios pelo " nick" de Scott Fitzgerald, Pat Hobbie, autor das mais mirabolantes historias com base num guionista marado, e tem raizes nas des-venturas contadas na decada de 20 e 30- XX , por John Fante. A vers�o moderna poder� ser a liga��o entre o gangsterismo hip hop e a LAPD, explicado e bem em Labyrinth, que j� citei noutro post, e que mais nao � do que o update das liga��es perigosas que Ellroy projecta, a partir dos anos 40, ele que me autografou todos os livros que dispunha, na sequ�ncia de varias sess�es a que assisti , o que gerou algum espanto no paranoico autor...

Gostei da pe�a e apenas tenho uma pequena correc��o a fazer. Jules nao vive em "Corey Town", mas sim em Korea Town, colocada no sitio descrito, mas um quarteir�o de maioria coreana( sinais de tr�nsito, nomes de ruas etc em lingua coreana) area popular para artistas pobres, gangs e locais ,praticamente um enclave semi independente, e que de facto ,se deve abordar com algum cuidado.Como costumava dizer, nao era o local ideal para convidar a nossa mam� a tomar ch�...

BANDA SONORA: O intenso ( ser� do incenso e do nascer do dia e da manh� Pasteleira City?) Call of the West de Stan Ridgway e dos Wall of Voodoo. Se pretendem cheirar o lado negro da sempre brilhante cidade dos anjos, esta � a banda sonora





escrito por alvaro �s 8:52 da manhã
|

 



sexta-feira, janeiro 16, 2004

 

Revolu��es em Portugal: " METRODISCOS 2004 @ BLITZ - A REVOLU��O DISCOGR�FICA CHEGOU! "

Esta � a pedra filosofal da temporada. A descoberta alqu�mica para que:

1 ) se acabe com o facto dos portugueses n�o comprarem m�sica feita em Portugal;

2) os portugueses deixem de afirmar que os cds s�o caros ( e fazerem o que falamos em 1);

3 ) os artistas portugueses n�o esperem uma vida inteira para chegar ao seu p�blico( sic );

4 ) os discos dos artistas portugueses ( que s�o lan�ados ) n�o se percam nos escaparates das lojas ( idem );

5 ) o Jornal Blitz e a Metrodiscos se associem para que, desde Fevereiro a Dezembro de 2004, determinada m�sica portuguesa seja distribu�da - atrav�s desse ilustre seman�rio - para que possa chegar a mais ouvintes;

6 ) o pre�o desses cds seja na casa dos � 7, 50 e os 9, 00;

7 ) existam parceiros que queiram apoiar t�o nobre iniciativa como a Antena 3;

8 ) e que se permita a que, 3 semanas antes da edi��o via Blitz sejam enviados 500 CDs para outros tantos �rg�os de comunica��o social (r�dios, jornais, revistas, sitios de internet, TVs), para estes poderem dar a sua opini�o;


Isto tudo � excelente.


Med�ocre � ideias paladinas como quando se afirma que: " N�o h� obriga��es para a ind�stria discogr�fica porque se calhar est�o a criar uma nova ind�stria".

Ou quando se explica que "todas as edi��es ter�o edi��o comercial via FNAC, um m�s ap�s a edi��o Metrodiscos / Blitz e que o seu pre�o n�o ultrapassar� os 11,50 Euros".

"Agora j� n�o h� desculpa para n�o comprar discos".

1 ) Que se queira reduzir custos de distribui��o, muito bem;

2 ) Que se pretenda dar a conhcer artistas novos ( e que a concentra��o das grandes lojas tem feito perigar ), perfeito;

3 ) Que se baixe o pre�o dos cds, excelente;

No entanto, as exclusividades t�m o seu pre�o. Primeiro destroem a concorr�ncia, segundo manipulam os gostos dos consumidores.

� lament�vel que n�o exista respeito entre os ditos parceiros na ind�stria discogr�fica. E � triste que tal suceda, na grande maiorira das vezes, por parte dos que julgam ter algum poder em m�os.

Quando algu�m come�a a escrever uma can��o, numa guitarra, num laptop, numa mesa de caf� ou em qualquer outro s�tio e com qualquer outro meio, � bom que se esque�a que a partir da�, e se quiser chegar a mais pesoas, vai ter que enfrentar jornalistas, editoras, distribuidoras, advogados, contabilistas, lojistas e toda uma ind�stria montada para o devorar....

Mas isso qualquer rapaz de 12 anos o sabe. Era bom que soubesse � que, um destes dias, o monop�lio � t�o forte que mais vale arrumar a guitarra.




escrito por Ricardo Salazar �s 6:13 da tarde
|

 



quinta-feira, janeiro 15, 2004

 

PEDRA JOSS: Ainda ( os bons ) artigos de revistas nao especializadas.O nao alinhamento com a materia em si, ou pelo menos a menor dependencia permite olhar a Vanity Fair, a Newsweek, o Herald Tribune entre outros, como complementos muito interessantes para o quiosque Pop Cultura: � o caso da recente edi��o da newsweek, onde de uma forma objectiva e curta se explica o regresso da musica com raizes , re-interpretada por nomes a seguir durante 2004 como Jamie Collum,Michael Bubl? e a monumental , em todos os aspectos, Joss Stone, blog aposta via rapida. Mas mais do que definir gostos e estilos e no caso de Stone, discutir a presen�a fisica da teen inglesa,a Newsweek avan�a com ideias que me parecem muito interessantes:primeiro , o acesso ao digital pode ter criado uma gera��o de " criminosos" mas igualmente abriu areas " historicas" para se desenvolveram em carreiras com base solida; por outro estes artistas apesar de muito jovens agradam aos que compram discos e fazem ponte com os que procuram memorias reais de um tempo que nao viveram....

BANDA VISUAL: aguardo o clip de Joss Stone. O EPK que j� pude ver esconde um pouco a tremenda figura da jovem inglesa




escrito por alvaro �s 5:20 da tarde
|




 

Frase do m�s para os tugas em Kosice:: �Nao posso dizer que seja grande apreciadora, mas admiro a coragem e a festa a volta da tourada. O que nao gosto � da forma como tratam os touros.�

Merche Romero in GQ

Atenta mente
La peste




escrito por alvaro �s 1:43 da tarde
|




 

Camar�o quer dar a costa: Depois de folhear as varias paginas da Heidi para o seu petiz justino tem berlindes, vulgarmente conhecido por Justin Timberlake, Camaron Diaz sussurrou ao ouvido:� Amor chega de dedo! Estou velha amor...a falta de gatos do vizinho...ou do vizinho...faz me sentir sozinha.O meu utero sente a falta de alguma vida...faz me um filho!!!�
O par de jokers mais famoso do showbiz lancou o ultimato para 2004!I wanna rock your body...hihi!

Patrocinio: pasta de camarao bom petisco

Reporter internacional aka La peste




escrito por alvaro �s 1:37 da tarde
|




 

Pedra do sudoeste i never ment to hurt you: Os Oasis confirmam mais um album...o sexto...com dez musicas...boa!!! Noel Gallagher, que nao perde o conforto dos chinelos por um episodio do Six feet under,esta cada vez mais premonitorio � A razao por qual queremos os Death in Vegas para nos produzir e simples... nos queremos, mas nao significa que a malta precise!�
Amigo Noel vai lavar as costas ao teu irmao.

Patrocinio: Shampoo Sonasol...com dois o !




escrito por alvaro �s 1:34 da tarde
|




 

HIP-POP CULTURA : Caso evidente de acultura��o hip-hop: em ingl�s, Will the Real Howard Dean Please Stand Up. Refer�ncia dupla a Eminem e ao putativo candidato Democrata �s Presidenciais Norte-Americanas de 2004, incluida na edi��o mais recente da sempre influente Time

BANDA VISUAL: Zappa em DVD




escrito por alvaro �s 12:40 da tarde
|




 

ALLO HOUSTON, AQUI PORTO: Se puderem liguem a Antena 1 esta noite. No Porto sem Abrigo, que apesar do titulo nao � uma emiss�o de radio portoc�ntrica, mas com pontos de vista a partir desta base lunar. E chamo a aten��o do programa de hoje, porque o convidado � o Jose Carlos Soares da Mundo de Aventuras. O pretexto poderia ser o lan�amento hibrido do album dos Sloppy Joe, mas a conversa vai para alem dessa fronteira e entra em areas que me parecem de enorme interesse para os bloguistas que frequentam esta Junta de Freguesia...


BANDA SONORA: uma especie de santo graal dos Bootlegs: Smile , o delirio de Brian Wilson, 76 minutos de exciting, wonderful music




escrito por alvaro �s 12:21 da tarde
|

 



quarta-feira, janeiro 14, 2004

 

PONTAL LONDRINO: J� uma tradi��o londrina, que se pode comparar aos velhos comicios do Pontal, e da rentree politica nacional: refiro-me aos NME AWARDS show, lan�amento definitivo do ano pop-rock a partir de Londres.E os "vencedores" s�o : The Streets; The Music, My Morning Jacket , Raveonettes, Hundred Reasons, Thrice , Funeral For a Friend, The Distillers, Jet,, e entre tantos outros Von Bondies e Franz Ferdinand, Hope of The States, a dividir pelo London Astoria e pelo Brixton Academy. Das largas dezenas de nomes / ryan adams, rapture, the thrills etc ,escolhidos pelo NME , APENAS, Peaches e Black Rebel Motorcycle Club , visitaram o nosso pa�s, sinal inequivoco e simples de como nos afastamos de todo e qualquer centro das tend�ncias mais importantes da pop -rock dos nossos dias. Um sinal preocupante e que nao parece vir a alterar-se nos proximos tempos...

BANDA VISUAL: continuo a divertir-me com as doggadas do Snoop....




escrito por alvaro �s 4:02 da manhã
|




 

DIA 24.TRIPLEX.PORTO: A proposito do Jose Pedro , tempo para explicar a pat�tica campanha de marketing e promo��o da vinda ao Porto dos Zig Zag Warriors. Para quem ( ainda ) nao sabe a dupla que o guitarrista , forma com o mano radialista Quint�o, Cowboy, Miguel, atras de pratos, actua no Triplex no sabado 24. O tal de Pasteleira City, o infame e vaidoso DJ da cidade do Porto, por sede de protagonismo, ofereceu-se para fazer a primeira parte. Aparentemente vai tocar Heroin dos VU e bazar ao pior estilo de Hollywood de pechisbeque. Um must...

BANDA VISUAL: nuvens de fumo , em especial no cerebro, dos espectadores do Smoke Out dos Cypress Hill, DVD em rota��o maxima chez Pasteleira City




escrito por alvaro �s 3:07 da manhã
|




 

U ARE FUCKING COOL BRO: Uma palavra para o enorme jose pedro reis, e desejos de rapidas melhoras. E se como diz Iggy Pop o rock and roll � a fonte da juventude, Reis, � um exemplo perfeito que os deuses tambem gostam daqueles que resistem e vencem momentos bem dificeis.

BANDA VISUAL: jose pedro reis e paulo furtado no ultimo natalapalooza




escrito por alvaro �s 2:19 da manhã
|




 

BIDEOS E OUBIDEOS: Ainda a Luso Beat. Uma nota justa para o clipe de gon?alo madail para " my man "Ace.Conheco.os bem para referir o enorme esforco criativo , com base em 0 euros e muito imaginacao.A curta carreira de Madail, com quem trabalho na NTV desde a sua fundacao, demonstra que apesar do deserto audio.visual que se respira na cidade do Porto, ainda e possivel , acreditar numa equipa de producao de clipes para a ainda misera, mas va la , crescente @ feira de artesanato @
de clipes made in Portugal. E em breve , mais 2 videos para se juntarem ao pequeno mas digno portfolio da equipa que o aveirense dirige. Para seguir com atencao

BANDA VISUAL >as doggadas de Snoop em concerto em Los Angeles




escrito por alvaro �s 1:44 da manhã
|

 



segunda-feira, janeiro 12, 2004

 

LUSO MENOS QUALQUER COISA: Contribui com 6 dolares, perd�o 6 euros para a edi��o o numero 2 da Luso Beat.Ainda � cedo para fazer balan�os, embora o pre�o possa ser um factor a ter em conta. Mas nao � tempo de para olhar para a Batida LUSA, mas sim para as observa��es de David Fonseca, sobre o sebastianismo pop -rock lusitano. Em geral , s�o lucidas e com aquela presen�a algures entre o cerebral e fragil, que cria a vontade , pelo menos em algumas mulheres em o proteger de algo que s� elas entendem...
Come�a por dizer, que o uso do ingl�s, nao tinha objectivos internacionalistas. Lembro-me do semi deserto concerto integrado nos Outros Rituais , para o entender. Mesmo o sucesso comercial, mais do que inesperado e quase impossivel de prever nessa noite chuvosa de Maio em que uma vez mais Jardel dinamitou o SLB.Depois as refer�ncias a uma serie de bandas europeias, como exemplos. Retiro os Katatonia que presumo seja uma refer�ncia aos Catatonia de origem Galesa. Os exemplos suecos deveriam ser retirados( desde h� muito que a Suecia tem uma industria pop, exportavel e com base em Estocolmo, mas " delega��es " londrinas consistentes). E incluia os islandeses, para dizer que assisti ao crescimento de Bjork nos Sugarcubes e a sua resistencia londrina.Sem Bjork, ser� que o que vem da Isl�ndia, teria o mesmo impacto.?Duvido. Ou ent�o inclua-se alguns exemplos diskoteka( ref a Adelino Gon�alves e aos anos 80) . Nenhuns dos exemplos citados s�o grupos de top ou significativos para alem de sucessos regionais ou absoluta e totalmente temporarios. Mas entende-se a reflex�o: se estes t�m " carreira internacional" porque nao temos n�s? uma das respostas � simples: alguns destes nomes ou outros que poderiam ser citados, estao em Londres. Vivem na cidade, estao proximos dos que efectivamente decidem ou podem vir a decidir.O que vou dizer , vale para todos: sem a dureza londrina em alguns casos; maior conforto para alguns, mas mesmo assim com a necessaria lucidez de perceber que ali , s�o mais uns a competir com centenas de outros, escusamos de estar sempre a repisar na tecla do apoio estadual. Que em Fran�a, modelo tao citado e mal traduzido, se efectiva para os que se expressam em lingua francesa como ali�s Sylvie Castel explicou muito bem durante o SBSR.Como alguns sabem at� simpatizo com o autor, e o que vou dizer nao lhe � dirigido. directamente .Trata.se de uma imagem. At� porque nem sei se Fonseca tem carta de condu��o , quanto mais a marca do p�p�, ou do telemovel. Mas explico-a porque o direito � propriedade � sagrado: metaforicamente, apliquem o dinheiro que se gasta em certos coisas muito vistosas , na possibilidade de lutar por algo. At� porque e aqui estou certo, muitos de n�s est�o cheios das queixinhas "fadistosas".Vao � luta, enfrentem os que at� t�m menos talento , mas como eu vi e observei e sou testemunha, passaram anos de pobreza dura e londrina( esta violenta) para chegar a algum lado. At� porque a viagem � sempre mais importante que chegada

BANDA VISUAL :gajas, carros, cenas: fechem as vossas filhas; esta a chegar um video onde entre o Pharrel




escrito por alvaro �s 1:19 da tarde
|




 

DETROIT NA CALIFORNIA, OU OS BURACOS E A FALTA DE LUZ ENTRE A NACIONAL 13 E A ROTUNDA AEP: Fiz uma viagem para norte, com os Fleetwood Mac de Tusk como banda sonora. Nao, nao come�em com as tretas do Rcok FM, da pop ensolarada e o lo habitual: multifrenico( seja l� o que isto quer dizer) , isto �, 4 discos a solo num album , ainda por cima , o sucessor do monstruoso Rumours. Dos milhoes deste , para o flop de vendas foi um ligeiro passo. Uma das historias mais wagnerianas da pop , tem sido muito bem contada recentemente pelas revistas de Historia da Pop, como a Uncut ou a Mojo.Mas nenhuma consegue revelar , a dimens�o de melodrama, auto-destrui��o, desatino e ressaca de coca sonora, que Tusk encerra: das bandas marciais, ao proto White Stripes, Tsuk tem um pouco de tudo. E quem ouve pela primeir avez, nao deixa de reagir � incoer�ncia de cada uma das can��es nada , mas mesmo nada , ter a ver com a seguinte....uma banda sonora para todo o tipo de divorcios....

BANDA SONORA: as can��es assinada por Lindsey Buckingham no album..




escrito por alvaro �s 11:48 da manhã
|




 

JANEIRAS: � Janeiro; e para animar a malta, come�am a surgir os primeiros indicadores dos " veraniegos": Strokes, The Darkness e britoc�ntricamente Oasis, preparam-se para um ano de muito trabalho.Assim como Air, e provavelmente uma maior carga europeia para os White Stripes. E nao se entenda carga como uma refer�ncia ao arraial de porrada em Detroit que envolveu Jack White e um Von Bondie; contas antigas, dizem especialistas....

BANDA VISUAL: ben stiller e jack johnson juntos e no Hawaii.Aut�ntico mini-filme , parodia � realiza��o e � interpreta��o standard de um clipe ...




escrito por alvaro �s 11:31 da manhã
|

 






    Webset Copyright © Blogfrocks